Minha lista de blogs

quinta-feira, dezembro 30, 2010

UM BALANÇO POSITIVO


E o ano de 2010 está indo embora, deixando muitas saudades. O botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras) está cada vez mais reconhecido em todos os rincões do país.
O trabalho de divulgação, através dos blogs Sportdebotão, Chelsea e o Mundo do Botão, Internacional Futmesa, FutmesaBrasil e o site futeboldemesanews, fez com que esse maravilhoso jogo de botão, exclusivo de Pernambuco, atravessasse fronteiras e pode ser  admirado por milhares de botonistas, através de vídeos, postados na internet.
 A nata dos botãobolistas da APFM na Copa do Mundo do Botãobol
Como é dito e repetido, o botãobol é a melhor representação de um jogo de futebol, transportado para uma mesa, com todas as suas emoções , exigindo que o praticante tenha uma incrível habilidade para a sua execução, porisso a não existência de  um grande número de botonistas, pois praticá-lo torna-se, na acepção da palavra, um tremendo desafio.
É um esporte destinado àqueles mais inteligentes, pois exige qualidades que muitos não se esforçam em possuir.
Perserverança, habilidade manual, alto poder de concentração, controle emocional, são algumas das qualidades que a pessoa deve ter para ser julgada um botãobolista de mão cheia.
Num balanço do que foi o botãobol, no ano de 2010, aqui na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, pode-se dizer que foi totalmente positivo.
A rigor, apenas três competições oficiais, mas todas realizadas com amplo sucesso. O Torneio do Ranking, abrindo a temporada, foi brilhantemente conquistado pela Inglaterra, palhetada por Paulo Jiquiá. Depois, veio a Copa do Mundo, com a campanha vitoriosa da África do Sul, comandada por Hugo Alexandre.

Carlinhos e  Hércules, posam  juntos a Paulo Jiquiá e Hugo, os melhores de 2010 no botãobol.
Finalmente, o Campeonato Oficial de 2010, disputado pau-a-pau, com uma carga de emoção espetacular. Com todos os méritos o grande campeão foi o Internacional, de Paulo Jiquiá, que assim se tornou no grande nome do botãobol do ano.
Como nada no mundo é perfeito, alguns percalços aconteceram , mas nada que viesse abalar as estruturas da APFM, cada vez mais assentada no Recife, com suas invejadas instalações passando por transformações que irão dar mais ainda comodidade ao associado. Se o ambiente já era considerado excelente, imagine como vai ser com todas essas transformações já planejadas.
Fernando Brito, Albertinho e Abiud, três forças do botãobol
A bem da verdade, é bom que se diga que a diretoria da APFM envidou todos os esforços para que o jogo de botão, independente da regra utilizada, pudesse realmente ser praticado com toda a intensidade no seu espaço, porém, observou-se que, fora o botãobol, os praticantes das demais modalidades aqui desenvolvidas, viram com outros olhos e, consequentemente, agiram  com espírito totalmente antagônico.
 Adilson (Presidente da APFM), Abiud  e Hugo Alexandre, diretores da APFM
Como não poderia deixar de ser, aqueles que dirigem a entidade chegaram à conclusão de que o espaço deveria ser somente ocupado por aqueles que gostam de fato de jogar botão, não medindo sacrifícios para que as competições sejam cumpridas à risca e que a regra seja obedecida, vencendo sempre o melhor.
É o botão com toda a transparência e lisura que merece.
Que venha o ano de 2011,  não com a esperança, mas a absoluta certeza de que o botãobol irá proporcionar maiores emoções aos verdadeiros amantes do futebol de botões. Viva o botão.

domingo, dezembro 19, 2010

UMA BELA MENSAGEM

Hércules, o poeta do botãobol, junto aos companheiros da velha guarda do botão
O Celotex une
Quando a saudade aperta
Os amigos aparecem
A alegria se estabelece
A amizade se restabelece
As recordações se renovam
E o encontro vira uma festa
(Recife - PE, 18 de dezembro de 2010 -
Sala da APFM - J.Hércules Leite)
É isso aí, minha gente do botão. O nosso grande poeta do botãobol J.Hércules Leite,  em mais um grande momento de inspiração, reflete toda a grandiosidade do futebol de botões. Ficamos eternamente gratos.

MOMENTOS INESQUECIVEIS DO BOTÃOBOL


A grande festa de premiação do botãobol de 2010 na APFM

É isso aí, minha gente maravilhosa do futebol de botões. A Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, neste sábado, dia 18 de dezembro de 2010, viveu momentos  inesqueciveis com a festa de premiação dos melhores do botãobol da temporada que hoje chega ao fim.

Adilson, Waldyr, Paulo Felinto, Abiud, René e Clóvis, a velha guarda do botão

A festa toda transcorreu num clima de paz, tranquilidade e muita alegria. A presença de botonistas da velha guarda deram um colorido todo especial ao evento. Foi bom ver, mesmo com passagem meteórica, Paulo Felinto, essa figura exponencial do celotex pernambucana, que veio diretamente de Rio Formoso, cidade do litoral do nosso Estado, para abrilhantar esse acontecimento.
Outra figura de destaque, presente ao evento, foi a de Waldyr Santa Clara, outro grande nome dos tempos românticos do botão e extraordinária criatura humana.
A APFM, a frente seu diretor social, Cláudio Sandes, não poupou esforços para que todos se sentissem em casa e assim a festa se tornou magnífica.
Tudo isso sem falar na peça de resistência, preparada pelo nosso querido poeta do botãobol, essa pessoa extraordinária, José Hércules, uma saborosíssima feijoada, de lamber os beiços. Quem, infelizmente, não pode comparecer, não sabe o que perdeu. Estava simplesmente deliciosa!
Seguiu-se a premiação do campeonato oficial de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras) e na medida que eram chamados os agraciados para receberem seus merecidos troféus, via-se no semblante de cada um deles, a alegria pela conquista.

Paulo Jiquiá fez do seu Internacional o bicampeão do botãobol
O grande vencedor não foi somente Paulo Jiquiá, fazendo do seu Internacional o bicampeão, de 2010. Tampouco , não foi o Coritiba, de Cláudio Sandes, que emocionou-se ao receber o troféu de vice campeão. Nem poderia ser o Flamengo, de Fernando Esperma, com a excelente conquista do 3º lugar. Nem também  Náutico, de Abiud,  São Paulo, de Max Monteiro,  Corinthians, de Adriano Oliveira,  Vila Belmiro, de Albertinho e Chelsea, de Hugo Alexandre, os outros agraciados.
Também não foram só vencedores Fabiano Costa, do Internacional, botão artilheiro do certame, bem como  a defesa corinthiana, de Adriano Oliveira, a menos vazada do certame e o ataque colorado, o mais eficiente. Os vencedores foram todos, sem exceção, os que fazem parte da Associação Pernambucana de Futebol de Mesa e que brilhantemente participaram do campeonato de 2010.
A maneira como se comportaram as equipes, jogando com seriedade, porém, descontraídos na essência, fizeram com que tudo terminasse de maneira clara, limpa, insofismável. Foi um belo espetáculo.
Louve-se toda a diretoria da APFM que, ano após ano, continua, sem esmorecimento, na luta para que o botãobol alcance posições mais elevadas no cenário nacional.
Parabéns a Adilson, Hércules, Abiud, Albertinho, Marcos Cardoso, Cláudio Sandes,  Adriano, Hugo Alexandre e Dinoraldo, pela dedicação ao botãobol e procurando sempre aparar as arestas, na tentativa de minimizar alguns percalços.
Parabéns ao Quadro Social, mas notadamente aos mais assíduos: Paulo Jiquiá, Fernando Brito, Max Monteiro, Azevedo Neto, Clóvis Sandes, Vandré Meneses, Flávio Azevedo, Alexandre de Freitas e Armando Pordeus.
Merecem também serem lembrados aqueles que pelos mais diversos motivos não podem estar no nosso convívio aos sábados. Ribamar, Tuca, Marcos Silva, Carlos Germano, Cláudio Ajax, Demil Santos e tantos outros.
A certeza que se tem é que, se qualquer um deles dispuser de tempo, estará  formando ao nosso lado, pois também, como nós,  estão impregnados da magia que é o botãobol.
A festa foi mesmo de arromba. Em 2011, outras virão e o futebol de botões vai continuar seguindo seu caminho, firme e forte.

Este blogueiro no momento da leitura da bela mensagem de Natal do poeta J.Hércules
Resta, tão somente, desejar um Feliz Natal e um Ano Novo pleno de realizações. Assim é a vida. Viva o botão!

domingo, dezembro 12, 2010

FABIANO COSTA OU MALDONADO


 Fabiano Costa (Internacional) ou Maldonado (Légia Varsóvia)?
É isso aí, minha gente, do mundo maravilhoso do futebol de botões. O campeonato oficial de botãobol de 2010, da Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, já está no final, mas as emoções se sucedem a cada instante.
Coringão surpreende e  tem a melhor defesa do campeonato
Ontem, sábado, dia 11 de dezembro, o Corinthians, de Adriano Oliveira, despediu-se da competição, propiciando duas grandes emoções. Com a vitória de 1x0 sobre o Chelsea, de Hugo Alexandre, não só terminou em 6º lugar na classificação geral, como também abiscoitou o prêmio de melhor defesa do certame. Foi um feito sensacional.
Por outro lado, um surto de conjuntivite impediu que o Cruzeiro, de Marcos Cardoso, viesse cumprir seu último compromisso na competição, onde enfrentaria o Légia Varsóvia, de Dinoraldo Gonçalves, num jogo cujo único interesse seria a definição do artilheiro maior do campeonato.
Atualmente, o lider da artilharia, pronto para conquistar o troféu, é o centro avante Fabiano Costa, do Internacional, de Paulo Jiquiá, com 18 gols consignados. Na 2ª colocação está o ponta direita Maldonado, do Légia Varsóvia,  com 17 tentos marcados. O craque colorado já encerrou seus jogos e espera tão somente que o atacante polonês passe mais uma vez batido, nesse seu´derradeiro confronto,  para assim poder ficar de posse definitiva do cobiçado prêmio.
Em razão disso tudo, a partida que dará fecho ao certame de 2010,  deverá ser realizada no próximo sábado, dia 18 de dezembro, antes do início da festa de premiação.
Para tanto, as equipes já foram advertidas para que compareçam à APFM antes das 12h00, a fim de que não haja atraso no início das comemorações.
É bom  lembrar que, após a cerimônia de entrega dos troféus e medalhas, acontecerá o Torneio Encerramento, no sistema mata-mata, ponto final das atividadades da APFM no ano de 2010.
Cabe destacar o empenho do diretor social,  Cláudio Sandes, no sentido de que a festa seja realmente magnífica. Todos os cuidados estão sendo tomados para que tudo transcorra num clima de paz, harmonia, tranquilidade e muita alegria.
O que se pode adiantar é que a diretoria da APFM considera o campeonato de 2010 um verdadeiro sucesso, mesmo com o abandono de cinco equipes, pelos mais variados motivos.

Um último registro: a visita à APFM do ibiense, radicado em Brasília, André Phillippe, trazendo a tiracolo o futuro craque do botãobol, Miguel, para encher de orgulho o vovô Abiud.
Valeu, moçada. Foi fantástico. Que venham os comes e bebes! É hora de festejar! Viva o botão!

domingo, dezembro 05, 2010

VAI HAVER FESTA NA APFM


O cenário da APFM estará pronto para a Festa de Premiação de 2010
É isso aí, minha gente do botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras).
Vai haver uma tremenda festa na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, programada para o dia 18 de dezembro, com a presença de todo quadro social e convidados, tudo sob a coordenação do diretor social, Cláudio Sandes, que não tem medido esforços no sentido de que o evento se torne inesquecível.
Como é de praxe, no dia 18, vai acontecer a premiação do campeonato oficial de 2010 que está no finalzinho, restando apenas duas partidas: Chelsea x Corinthians e Cruzeiro x Légia Varsóvia.
No combate entre os Blues do Aeroporto, de Hugo Alexandre e o Coringão, de Adriano Oliveira, está sendo decidido o título de melhor defesa do campeonato. Os mosqueteiros, até agora, sofreram apenas 7 gols e,  se mantiverem a meta incólume nesse último confronto, farão jús à cobiçada medalha.
O Náutico, desse blogueiro, que vem na cola, com oito gols contra, está numa reza forte para que o Chelsea consiga furar, pelo menos, uma única vez  a retranca da turma do Curado Dois. A briga é boa!
Por outro lado, no embate entre  Cruzeiro, de Marcos Cardoso e  Légia Varsóvia, de Dinoraldo Gonçalves, o que estará em evidência é a disputa pelo troféu de artilheiro da competição.
Fabiano Costa, o camisa nove do Internacional, de Paulo Jiquiá, já encerrou seus jogos e terminou na liderança da artilharia, com 18 gols assinalados, podendo ser ultrapassado por Maldonado, do Légia Varsóvia, que até agora marcou 17 tentos.
Pelo que se viu até agora é provável que o prêmio seja dividido entre os dois maiores goleadores, porém, o Colorado já fez um apelo aos estrelados da Jacobina para que não dêem refresco ao camisa sete dos poloneses de Maranguape.
Por sua vez, o Légia Varsóvia, que neste campeonato não teve boa participação, quer pelo menos acabar o ano com esse cobiçado prêmio, portanto, fará de tudo para que o Maldonado volte a dar mais um show e assim ser consagrado o grande artilheiro de 2010.
Assim, com o campeonato encerrado, com todo o sucesso, em que pese alguns naturais percalços, a festa de premiação promete ser espetacular, mais ainda com a realização do tradicional  Torneio de Encerramento, oportunidade última de 2010 para que uma equipe ainda possa conquistar um troféu.
Estão convidados para o evento todos aqueles que direta ou indiretamente contribuiram para a grandiosidade da competição.
Tudo leva a crer, pelo que está sendo aprontado, que vai ser uma festa de arromba. Viva o botão.


domingo, novembro 28, 2010

VERMELHO, VERMELHO, O BOTÃOBOL É COLORADO


Paulo Jiquiá, a força colorada, conquista o bicampeonato da APFM
E a festa vai continuar, mas de antemão já se sabe quem é o grande vencedor. Aqui na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa tudo ficou vermelho com a sensacional conquista do Internacional, de Paulo Jiquiá, no sábado, dia 27 de novembro de 2010, no campeonato oficial de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras). 
Foi um triunfo espetacular ante um Vila Belmiro que pouco ou nada exigiu para que o Saci da Mangueira chegasse ao título de bicampeão de botãobol, o primeiro da história da APFM. Parabéns, Jiquiá, foi um feito brilhante sob todos os aspectos.
 Coritiba, de Claudio "Gordo", não se abate e chega ao vice campeonato
Louve-se também o Coritiba, de Cláudio Sandes, que na jornada do dia 20 de novembro causou uma profunda decepção a seus admiradores com duas goleadas estarrecedoras.
No sábado agora, o Coxa reabilitou-se e com duas vitórias arrebatadoras ficou com o vice campeonato.

Mengão, de Fernando Esperma, esperou coisa melhor, mas contenta-se com 3º lugar
Outro que merece destaque é o Flamengo, de Fernando Esperma, que já começa a ser olhado com respeito pelos concorrentes. O Mengão esteve impossível neste campeonato e mereceu o terceiro lugar.
Tudo isso, minha gente, aconteceu com uma rodada de antecedência do final da competição.
Sábado, mais emoções estarão reservadas e cresce a expectativa para se saber finalmente quem vai ser o artilheiro do campeonato, Fabiano Costa, do Colorado ou Maldonado, do Légia Varsóvia. Quem erguerá o troféu?
Outra disputa em jogo é o 4º lugar do campeonato, onde o Náutico, deste blogueiro, depende exclusivamente de um empate contra a Baleia Azul do Metrô de Ypiranga para ficar entre os quatro melhores e também figurar  entre os premiados.
Finalmente, a disputa pelo troféu de melhor defesa. Aí a  parada vai ser dura, com vantagem para o Corinthians, de Adriano Oliveira, que sofreu apenas 7 gols, um a menos que o Náutico. O Coringão vai enfrentar dois adversários e vai fazer das tripas coração para sair com sua meta incólume nesses dois confrontos.
Ao Timbu, que enfrenta apenas o Vila Belmiro, é fazer de tudo para não sofrer gols, pois a mala preta está recheada, pronta para ser entregue à Juventus, de Vandré e ao Chelsea, de Hugo Oliveira, adversários dos mosqueteiros do Curado 2. 
É isso aí, minha gente, a guerra não acabou. Viva o botão. 

terça-feira, novembro 23, 2010

À LUZ DAS VELAS

Adilson e Marcos Cardoso, "os irmãos Securinhas"
Esta é mais uma historinha dos tempos românticos do futebol de botões, praticado nas salas, terraços, garagens e quintais.
Nos anos sessenta, no bairro da Estância, zona oeste do Recife, o jogo de botão corria solto. A rua Morais e Silva era o ponto principal , com jogos nas casas de Seu Osman, pai de Murilo, de Mário Sandes, pai de Clóvis e Cláudio Sandes e na de Paulo Felinto, primo de Murilo.
Jogava-se botão à vontade, até a canela doer e sem hora para terminar.
Algum tempo depois, a concentração ficou apenas na casa de Paulo Felinto e como só havia um único campo, pense num sufoco para atender a todo mundo!
Cada partida tinha a duração de vinte minutos, divididos em dois tempos de dez minutos. Mal uma partida acabava e começava a briga para ver quem jogaria em seguida. A solução encontrada era fazer sempre torneios para que todos pudessem participar em condições de igualdade.
Devido a isso, muitos que tomavam parte desses jogos, tão logo realizavam suas partidas, iam embora para outros destinos. Ficavam alguns poucos na expectativa de poderem continuar dando suas palhetadas, mal o torneio tivesse fim.
Eram os conhecidos securinhas, que não perdiam tempo quando viam o campo desocupado e logo partiam para um confronto.
Num entardecer, quando o véu da noite já começara a despontar, o ambiente na casa de Paulo estava bastante concorrido com os jogos se sucedendo a cada vinte minutos.
De repente, acontece uma pane na rede elétrica e todo o bairro da Estância mergulha na escuridão. Logo, telefonam para o serviço de prontidão da luz e se recebe a informação de que não havia previsão de tempo para o restabelecimento da energia elétrica.
O tempo passava e nada da luz voltar. Os botonistas, um a um, foram se retirando, tristes e decepcionados. Era uma pena.
Quando menos se esperava, eis que Adilson e Marcos Cardoso, que já estavam quase transpondo o portão, resolvem voltar e colocam seus times em campo, pois tiveram a idéia de acender uma vela.
Aquele que não estivesse com a posse de bola ficaria segurando a dita vela, iluminando o campo.
Porém, há um detalhe: nesse lá e cá da vela, os pingos da cera iam caindo no campo, deixando-o quase que impraticável, mas, mesmo assim, o jogo seguia firme.
Então, Paulo Felinto, dono do campo, não se conteve e vendo o estrago que estava sendo feito, deu um sopro na vela e acabou a partida.
Até hoje não se sabe o resultado do jogo, mas o fato ficou conhecido na história do botão como o “Clássico dos Securinhas”, apelidos que os dois protagonistas vêm carregando por toda a vida, nesse mundo fantástico do futebol de botões.



segunda-feira, novembro 22, 2010

ADIADA A DECISÃO NO BOTÃOBOL

Mengão pode zebrar e se tornar campeão de 2010
O Campeonato Oficial de Botãobol (futebol de botões na regra pernambucana), patrocinado pela Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, neste sábado, dia 20 de novembro, apresentou jogos sensacionais e com resultados surpreendentes que adiaram a decisão da competição.
Verdadeiramente incrível a situação das equipes na tábua de classificação, quando faltam duas rodadas para o fim do evento. O Flamengo, de Fernando Brito, já encerrou seus jogos e é líder, estando numa torcida danada para que o Internacional, de Paulo Jiquiá e o Coritiba, de Cláudio Sandes, não consigam triunfar nas suas duas derradeiras partidas.
Se isso ocorrer, o Mengão será consagrado campeão de 2010, com todas as honras e sinais de respeito, na maior zebra da história do botãobol.

O Internacional, que poderia se sagrar campeão por antecipação, saiu de campo derrotado, por 2x1, pelo Náutico, de Abiud Gomes e vai ter agora pela frente o Santos, de Adilson e o Vila Belmiro, de Albertinho, dois pesos pesados do botãobol e que tudo farão para impedir o triunfo colorado. Ao Saci basta uma simples vitória ou mesmo dois empates e o caneco, então, tomará mais uma vez o destino da Mangueira, reduto colorado.
Já com o Coritiba, a parada está praticamente perdida, pois com as goleadas sofridas neste sábado, de 6x2 para o São Paulo, de Max Monteiro e de 4x1 para o Santos, de Adilson, o moral do time foi lá pra baixo e ninguém mais acredita que o Coxa vá ter sucesso nos seus jogos finais contra o Hércules, do poeta J. Hércules e o Fluzão, de Flávio Azevedo. Mas enquanto houver vida, haverá esperança.
Como se vê, a briga pelo título segue indefinida e fica difícil apontar um vencedor. O Internacional ainda é o favorito, mas a coisa ficou mais complicada.
Há comentários que o Mengão mandou até bater bombo e parece que o treco está surtindo efeito. Já se observa um clima de intranqüilidade nas hostes coloradas e coxas.
A pressão está cada vez maior e quem sabe se não poderá haver uma imensa explosão. Não quero estar por perto.
Será que o Mengão tem tanta força assim e vai zebrar de verdade?

É interessante também destacar a luta pela defesa menos vazada do campeonato. O Corinthians, de Adriano Oliveira, com apenas 7 gols sofridos, vem comandando o bloco, com Náutico e Santos, na cola, com 8 tentos.
O troféu de ataque mais positivo já pode se dizer sem pestanejar que é do Internacional, com seus 44 gols marcados, onze a mais que o Coritiba, o mais próximo competidor.
Também deverá caber ao Colorado o prêmio de artilheiro da competição, devido à performance do centroavante Fabiano Costa que já marcou 18 vezes, contra 15 de Maldonado, do Légia Varsóvia e 12 de Fred, do Fluminense.
Por sua vez, a luta pelo troféu de 4º colocado segue ainda com toda força. Vila Belmiro, Santos, Náutico, São Paulo, Fluminense, Légia Varsóvia e Corinthians, todos tem chances reais de entrar na premiação do campeonato. Quem será o felizardo ?
Sábado, novos embates terão lugar e tudo pode ocorrer nesse cenário maravilhoso do botãobol. Haja emoção! Viva o botão!

domingo, novembro 21, 2010

CRUZADA PELA MORALIZAÇÃO DO FUTEBOL DE BOTÕES

Este blogueiro na eterna luta pela moralização do futebol de botões
É isso aí, minha gente desse mundo maravilhoso do futebol de botões. Este blog é dedicado ao botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras) e faz referências às outras regras apenas para dados comparativos.
Em todas as competições oficiais do Botãobol, as partidas são arbitradas e isso faz com que toda a responsabilidade que venha ocorrer nesses confrontos seja única e exclusivamente da arbitragem. Erros e acertos vão acontecer sempre e muitas vezes os resultados são bastante contestados, porém, não se vê dolo.
A exemplo do que ocorre com o futebol, no botãobol há muitas partidas em que as equipes se apresentam desmotivadas, notadamente quando as mesmas já não aspiram a mais nada nas competições que tomam parte. Outras são vítimas da má fase que ocorre com certa freqüência. Daí, afirmar que alguns resultados possam ser arranjados a fim de favorecer essa ou aquela equipe está  completamente fora de propósito.
O que de fato acontece é que as equipes, por falta absoluta de competência, não conseguem atingir seus objetivos e quando se vêem em desgraça apelam e começam a enxergar chifre em cabeça de cavalo.
Tudo isso que está dito acima tem um único propósito: mostrar a diferença de comportamento entre os praticantes do botãobol e os do futmesa modalidade 12 toques.
Ontem, na APFM, tomamos conhecimento de fatos profundamente desagradáveis que acontecem nas diversas competições da modalidade 12 toques (antiga regra paulista).
O fato foi dito com tanta naturalidade, que parece ser uma prática constante, que já se tornou um hábito, sendo olhado sem que haja nenhuma reprimenda, por quem quer que seja.
Aqui cabe uma explicação: não estamos aqui para acusar a ou b, muito pelo contrário: o que desejamos é que a moralidade esteja acima de tudo. Que o espírito ético seja uma prioridade entre os diversos botonistas e que em todas as competições que vença o mais competente, dentro da maior lisura.
O que não pode acontecer é  que resultados de partidas sejam modificados, trazendo inúmeros prejuízos aos mais diversos participantes de eventos.
Vamos aos fatos e depois julguem e apresentem as soluções: no Nordestão que foi disputado nos dias 13, 14 e 15 de novembro, aqui no Recife, pelo menos um resultado não condiz com o que aconteceu na partida. Uma equipe saiu vitoriosa e a pedido do adversário foi colocado na súmula um empate, o que deve ter alterado na classificação das equipes.
Talvez o fato seja corriqueiro tendo em vista não haver arbitragem, nem haver nenhuma fiscalização para esses jogos. Tudo fica por conta dos confrontantes.
Por mais que se queira atenuar o fato, não é possível alguém de sã consciência aceitar uma situação dessas. É simplesmente vergonhoso.
Muitos vão dizer que "descobrimos a pólvora", mas os que pensam assim, com certeza, esquecem que agindo dessa forma estão apenas desacreditando mais e mais o futebol de botões.
Que adianta então participar de campeonatos quando já se sabe, de antemão, quem serão as figuras carimbadas. É lamentável.
Apenas uma ressalva: o bloco que age assim é minoria, porém, os prejuízos são incalculáveis. Urge separar o joio do trigo, para o bem do botão. Encontrem soluções o mais rápido possível. Tenho dito. Viva o botão!


domingo, novembro 07, 2010

FAÇAM SUAS APOSTAS


Coritiba, de Cláudio Sandes, chega ao momento mais crucial de sua longa trajetória

É isso aí, minha gente, do maravilhoso mundo do botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras). O campeonato oficial de 2010, patrocinado pela Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, está chegando a seu final e o momento agora é fazer as apostas para se saber quem chegará ao topo do tabela e consequente conquista do título.
Parece que ficou mais fácil, pois a disputa está polarizada, com Internacional, de Paulo Jiquiá e Coritiba, de Cláudio Sandes, lutando pau-a-pau pelo título de campeão.
O Colorado, aliás, luta pelo título de bicampeão, o que seria um feito inédito na APFM, onde nenhuma equipe, até hoje, conseguiu ganhar por duas vezes consecutivas o campeonato oficial da entidade.
Pelo lado do Coxa, a conquista também seria inédita, a primeira de sua longa história. Seria sensacional.
Ao Saci da Mangueira restam três jogos, enquanto que o alviverde do Inês Andreazza terá pela frente quatro adversários. Nessa reta de chegada, qualquer tropeço será fatal para um ou outro. Quem bobear, dança!
O favoritismo é todo colorado, dono que é do melhor ataque da competição, enquanto que o Coxa aposta todas as fichas na sua defesa, uma das menos vazadas do certame.
O Internacional para chegar ao título vai ter que passar por cima de Náutico,  Vila Belmiro e  Santos, em verdadeiros duelos de titãs. 
Por sua vez, a luta do Coxa também será indigesta, tendo que superar Santos, São Paulo,  Fluminense e Hércules.
A primeira vista, poderia se pensar que o caminho do Coritiba, apesar de mais longo, seria mais suave, porém, se engana quem pensar assim, pois esses adversários, na totalidade,  são ossos duro de roer e mesmo estando todos afastados do título, não irão dar moleza.
Sábado, dia 13 de novembro, acontecerão novas batalhas. A vez é do Coxa mostrar que tem cacife para chegar ao lugar mais alto do pódio. Vai se ver se conseguirá dobrar o Santos, de Araken & Cia.
O Colorado, que antecipou seu jogo, tendo triturado o São Paulo e visto Fabiano Costa assumir o posto de artilheiro do campeonato, vai folgar na rodada, ficando na torcida por um tropeço alviverde. É hora de secar!
 Internacional, de Paulo Jiquiá, com toda  tranquilidade, espera conquistar o bicampeonato
O blogueiro aqui não toma partido e espera tão somente que o campeonato continue com toda essa carga de emoção. Com isso ganha o botãobol, com a lisura da competição, disputada num clima de paz e tranquilidade, mas com muita garra e disposição.
A APFM demonstra, de uma vez por todas, que é uma das entidades mais sérias e mais respeitadas no mundo do futebol de botões, apesar de estar com o prazo de validade vencido (segundo alguns incautos).
Viva o botão!

domingo, outubro 31, 2010

BOTÃOBOL NA RETA FINAL

O Internacional, de Paulo Jiquiá, aplica goleada no Légia e parte para o bicampeonato

É isso aí, minha gente do futebol de botões. O campeonato oficial de 2010 de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras), na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, entra definitivamente na reta final.
Faltam apenas 5 rodadas para se conhecer o time que levantará o troféu de campeão de 2010.
Na briga pelo título, com reais chances de conquistar o caneco, aparecem as equipes do Internacional, de Paulo Jiquiá, do Coritiba, de Cláudio Sandes, o surpreendente Flamengo, de Fernando Esperma e o Fluminense, de Flávio Azevedo.
Dentre esses todos, destaque vai para o Colorado da Mangueira que pode chegar ao bicampeonato, pois depende unicamente de si para conquistá-lo. É verdade que tem pela frente cinco pedreiras, mas pelo que está apresentando dificilmente irá entregar a rapadura.
O Coritiba, também, é outro que depende de seus próprios resultados e irá encarar praticamente adversários do mesmo nivel do rival Internacional, porém, tem contra si a instabilidade, sempre  alternando  boas e más performances. Vai precisar de muita reza.
Quanto ao Flamengo, o que se pode dizer é que o Urubu do Hospício foi beneficiado pela tabela, colhendo cinco vitórias por desistências de seus adversários. Como havia obtido excelentes resultados contra os chamados bichos papões, vai completar seus três últimos compromissos com grandes possibilidades de triunfo e caso isso se concretize ficará em situação privilegiadíssima, torcendo por dois tropeços, tanto  do Saci, como do Coxa. Será, na realidade, o maior zebraço da história do botãobol, se isso de fato ocorrer.
Por outro lado, o Fluzão pode também chegar, mas o caminho a percorrer é um dos mais cheios de obstáculos, quase intransponiveis.
Já, Vila Belmiro, de Albertinho e Santos, de Adilson Ribeiro, estão apenas com diminutas chances, esperando-se  deles que, pelo menos,  consigam terminar  a competição na zona de premiação, mesmo assim com grandes dificuldades.
Chelsea, de Hugo Alexandre, Náutico, desse blogueiro, Cruzeiro, de Marcos Cardoso, São Paulo, de Max Monteiro e Légia Varsóvia, de Dinoraldo, a partir de agora, vão apenas jogar para cumprir tabela e preparar as mãos para aplaudir os vitoriosos do campeonato.
Por sua vez, os times do Hércules, do poeta J.Hércules, do Corinthians, de Adriano Oliveira, da Juventus, de Vandré Meneses e do Guarabira, de Armando Pordeus já não aspiram mais a coisa alguma. É esperar as próximas competições.
Fora a luta pelo título, cabe destacar o envolvimento das equipes para a conquista de outros prêmios oferecidos no campeonato. Na briga pelo artilheiro da competição, a disputa entre Maldonado, do Légia Varsóvia e Fabiano Costa, do Internacional, toma ar de dramaticidade, rodada após rodada. Outra briga boa é a que concentra a disputa pela defesa menos vazada. Aí o páreo é duro com Náutico, Santos, Coritiba, Corinthians, Cruzeiro, Hércules e Vila Belmiro com grandes possibilidades de conquista da medalha. É de se pensar que a decisão irá somente acontecer na última rodada do campeonato.
Já a artilharia do certame está totalmente consolidada, com o Internacional reinando absoluto, pois atingiu a marca de trinta e cinco gols, nove a mais do mais próximo concorrente, o Coxa. Depois, da fantástica goleada de 7x1 em cima do Légia Varsóvia, neste sábado, véspera do 2º turno das eleições, o Saci ficou sobrando e já pode se dizer que carimbou a primeira medalha.
É isso aí, minha gente! Resta aguardar o desfecho da competição, torcendo para que a exemplo do que ocorreu na jornada deste sábado, dia 30 de outubro, as partidas continuem sendo disputadas dentro do mais alto espírito desportivo.
Esse é o verdadeiro botãobol, futebol de botões-arte. Viva o botão!

domingo, outubro 24, 2010

INTERNACIONAL PERDE INVENCIBILIDADE

Com erros de finalização Internacional perde invencibilidade e liderança

É isso aí, minha gente do botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras). Ontem, sábado dia 23 de outubro, quando todo o Brasil reverenciava Pelé, o Rei do Futebol, pelos seus setenta anos de vida, a Associação Pernambucna de Futebol de Mesa dava seqüência ao campeonato oficial de 2010, com a realização de sete partidas equilibradíssimas.
O ponto alto da jornada ficou por conta do Coritiba, de Cláudio Sandes, que derrotou o Internacional, de Paulo Jiquiá, por 2x0, quebrando a invencibilidade colorada na competição e também afastando-o momentaneamente, da liderança do campeonato, assumindo com a vitória o topo da tabela.
Cabe destaque também a atuação do Santos, de Adilson Ribeiro, que conseguiu duas vitórias espetaculares. A primeira, frente ao Vila Belmiro, de Albertinho, triunfando por 1x0. Depois, derrotou o Fluminense, de Flávio Azevedo, marcando 2x0 no placar. Só não teve um dia perfeito porque acabou sofrendo uma derrota diante do Légia Varsóvia, de Dinoraldo Gonçalves, por 1x0, gol assinalado pelo artilheiro do campeonato, Maldonado (ver vídeo), agora com 15 gols na competição.
Em outra decepcionante atuação, o Vila Belmiro sucumbiu perante o Fluminense, saindo derrotado por 3x1.
A Baleia Azul do Ypiranga não se encontrou em momento algum da partida, do que se aproveitou o Fluzão, que chegou fácil ao triunfo.
No clássico europeu, envolvendo Juventus X Chelsea, a Vecchia Signora com arremates certeiros de longa distância, dobrou os "Blues do Aeroporto", saindo vencedor por 3x2. Foi uma partida empolgante.
Fechando a jornada, o Náutico, de Abiud Gomes, segue vivo na competição, ao vencer o Coxa por 2x1, numa partida digna do futebol de botão arte. Foi uma beleza de espetáculo, tanto tecnicamente, como taticamente, com as equipes aplicadas durante todo o embate. O gol da vitória timbu aconteceu somente nos segundos finais da partida.
Com esses resultados, o Coritiba assume a liderança, mas o Internacional, que tem um jogo a menos, pode, no próximo sábado, retomar as rédeas da competição, bastando para isso vencer o Hércules, time do poeta do botãobol, José Hércules, que folgou na rodada. O Náutico vem a seguir, ocupando a terceira posição, com o Fluminense, na quarta e o surpreendente Flamengo, de Fernando Esperma, no quinto lugar.

Marcos (camisa amarela listrada) reunido com botonistas da APFM
Cabe registrar a visita do botonista da modalidade 12 toques (regra paulista), Marcos, residente em São Bernardo do Campo e que se encontra no Recife, em gozo de férias. Pelo que se observou, o paulista, com origens pernambucanas, saiu entusiasmado com o clima de alegria que encontrou aqui na APFM e também maravilhado com o botãobol.
É isso ai, minha gente. O botãobol é o verdadeiro futebol de botões arte. É simplesmente fantástico, lamentando-se apenas  estar com o prazo de validade vencido. Vamos ver até aonde vai. Viva o botão.









sábado, outubro 16, 2010

APFM FECHA AS PORTAS

Max Monteiro, José Hércules e Fernando Brito, três gerações do botãobol da APFM
É isso aí, minha gente do futebol de botões, a Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, que está com o prazo de validade vencido, resolveu,   a partir desta data,  manter as portas fechadas para todos aqueles que não fazem parte do seu quadro social. 
Portanto, somente participarão de atividades promovidas por aquela entidade os botonistas que estiverem rigorosamente em dia com suas obrigações para com a associação.
A medida está sendo tomada para evitar que pessoas intolerantes, idiotas, fúteis, mesquinhas, interesseiras, invejosas, arrogantes, desprovidas de educação em todos os sentidos, venham trazer fluidos negativos que só causam atraso no desenvolvimento do futebol de botões.
Como a APFM, que, como foi dito acima, tem seu prazo de validade vencido e apenas abriga o futebol de botões arte, o botãobol (jogo de botão na regra pernambucana, a rainha das regras), nem tendo mais nenhum interesse em abrir espaços para novas regras, deseja tão somente viver seus últimos momentos apenas contando com aqueles que de fato e de direito são considerados verdadeiros amantes do futebol de botões e que praticam o esporte unicamente por amor, sem nenhum outro tipo de comprometimento.
Daí, avisar a todos aqueles que, de uma forma ou de outra, tomam conhecimento do futebol de botões, que evitem o dissabor de ser barrado quando da tentativa de adentrar nas dependências da APFM.
Exceção é feita apenas para aqueles que se fazem acompanhar de um sócio (seja decano ou honorífico), quando então a presença dos visitantes são da inteira responsabilidade do sócio convidante.
Atualmente, fazem parte do quadro social, os seguintes botonistas:
1) Sócios Decanos
- Abiud Gomes, Adilson Ribeiro, José Hércules, Marcos Cardoso, Demil Santos e René Cezar.
2) Sócios Honoríficos
- Albertinho, Armando Pordeus, Alexandre, Max Monteiro, Flávio, Paulo Jiquiá, José Ribamar, Vandré Meneses, Cláudio Sandes, Clóvis Sandes, Fernando Brito, Hugo Alexandre, Dinoraldo Gonçalves, Carlos Germano, Azevedo Neto, Adriano Oliveira, Antonio Iomar Oliveira.
3) Sócios Honoríficos Licenciados
- Marcos Silva, Paulo Wladimir, Leonardo Gonçalves, João Paulo Brito, Rubens Junior, Cláudio Lucena, Toninho Oliveira e Valdir Pereira.
4) Sócios honorários
- Francisco Barbosa e Paulo Felinto.
Fica claro que somente os que constam da lista acima é que podem, desde que cumpram as normas estatutárias da associação, falar em nome da entidade.
E assim todos viverão em paz, com a graça de Deus. Viva o botão!

sábado, outubro 09, 2010

ORA BOLAS

O Náutico, de Abiud, não está nem aí, para a chia do Fluzão, de Flávio Azevedo

É isso aí, minha gente do futebol de botões. O campeonato oficial de botãobol (regra pernambucana), da Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, mesmo com esse feriadão de Nossa Senhora Aparecida e Dia da Criança, foi sequenciado neste sábado, dia 9 de outubro, com apenas três jogos: Náutico x Fluminense; Flamengo x Guarabira; Légia Varsóvia x Coritiba.
O destaque ficou por conta da chiadeira (mais uma) do Fluzão, de Flávio Azevedo, no empate em 1x1 com o Náutico, de Abiud Gomes.
Como a arbitragem de Hugo Alexandre foi excelente, o Pó-de-Arroz partiu então para tecer críticas à bola do campeonato.
Cabe aqui uma explicação: as bolas utilizadas no botãobol são feitas, em quase sua totalidade, de borracha da Faber Castle.
A APFM, em todos os campeonatos e torneios oficiais, apresenta bolas novas, que são utilizadas em toda a competição.
Antes das partidas, é comum as equipes se exercitarem, realizando jogos amistosos e treinando chutes a gol. Nessas situações se valem de bolas próprias, porém, feitas do mesmo material das usadas nos eventos.
O Fluzão que havia se saído bem nesses treinamentos, por não ter conseguido a vitória frente ao Náutico, que mal chegara à APFM já foi logo adentrando ao campo para realizar a partida, apelou e condicionou a sua permanência na competição, desde que treinasse, antes das partidas, com a bola que seria utilizada no seu confronto. Parece piada, mas é a pura verdade.
Felizmente, a direção da APFM não dá ouvidos a toda essa chiadeira, pedindo apenas que o Tricolor do Jardim Brasil seja mais humilde e aprenda de uma vez por todas a respeitar seus adversários. Quem morre de véspera é peru. Ora bolas!
O botãobol ensina que: 1) "treino é treino e jogo é jogo". 2)"Quem sabe, sabe e quem não sabe, bate palmas". 3) Jogo de botão só admite três resultados: vitória, derrota ou empate. Fica, pois, a lição.
Nos outros dois jogos, tudo correu tranquilamente. O Flamengo, de Fernando Esperma, goleou o Guarabira, de Armando Pordeus, por 4x0., enquanto que o Coritiba, de Cláudio Sandes, também aplicou uma goleada de 3x0 em cima do Légia Varsóvia, de Dinoraldo, resultado esse que o coloca na ponta da tabela, junto com o Internacional, de Paulo Jiquiá.
Sábado, o campeonato chega à 12ª rodada e está previsto o confronto dos líderes. Vai ser briga de cachorro grande. A APFM vai ferver. Viva o botão!

sábado, outubro 02, 2010

A FINAL QUE NÃO HOUVE

Chelsea, de Hugo Alexandre, livre dos fantasmas da Copa
É isso aí, minha gente deste mundo maravilhoso do futebol de botões. A Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, neste sábado, dia 02 de outubro, véspera das eleições de 2010, deu sequência ao campeonato oficial de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana), com a realização de seis partidas.

O destaque ficou para a vitória do Chelsea, de Hugo Alexandre, sobre o Vila Belmiro, de Albertinho, por 2x0, em partida efetuada no Brasília Stadium, com arbitragem de Adriano Oliveira.

O curioso disso tudo é que esses dois adversários deixaram, no dia 03 de julho, de realizar a grande final do Torneio Copa do Mundo, por desistência da França, palhetada por Albertinho.

Depois disso, não houve mais confrontos entre eles. Somente agora, na 10ª rodada do campeonato oficial é que esses dois grandes botonistas puderam se defrontar, naquilo que pode-se dizer: uma final de Copa do Mundo que não houve.

É verdade que não tem o mesmo efeito, mas serviu para massagear o ego de Hugo Oliveira que percebeu, hoje, que poderia ter conquistado o título da Copa do Mundo, sem a necessidade do WxO.

Com isso, ele sente que, a partir desta data, os fantasmas já não mais estão aí para ameaçá-lo e assim vai poder dormir em paz com a consciência.

Viva o botão!

terça-feira, setembro 28, 2010

QUE HAJA PAZ NO BOTÃOBOL

Adilson Ribeiro, Presidente da APFM, num dia de campeão

Meus amigos botonistas. Depois de uma breve relaxada em Brasília, volto à terrinha e fico na torcida para que todos os amantes do botãobol que estão participando do campeonato oficial de 2010, promovido pela Associação Pernambucana de Futebol de Mesa , possam chegar á última rodada, prevista para início de dezembro, com todos os jogos realizados.
Infelizmente, tivemos quatro equipes afastadas, por diversos motivos, o que é profundamente lamentável.
Há rumores de que há ainda alguns insatisfeitos e o que se ouve a boca miúda é que também iriam desistir de prosseguir na competição.
Então, faço um apelo: antes que tomem qualquer decisão nesse sentido, façam uma reflexão profunda e observem o lado positivo do futebol de botões. O convívio salutar, as amizades, as brincadeiras, o espírito alegre, as gréias e os jogos competitivos, mas dentro de um clima de alta desportividade.
Por outro lado, é fato também que as picuínhas irão sempre acontecer, mas nada que não possa ser feito para superá-las. Essa é a obrigação de quem de fato ama e zela pelo futebol de botões.
Todos os que enveredaram pelo botãobol (futebol de botões na regra pernambucana) têm um sagrado dever de sempre ir até o fim em sua luta com vistas a perpetuação desse esporte. As particularidades e as peculiaridades da regra pernambucana devem ser conservadas para todo e sempre.
Que façam dos sábados, ponto de encontro permanente para que a empreitada possa sempre ir adiante, sem esmorecimento. Essa é a razão de viver do verdadeiro botonista. Viva o botão!

sexta-feira, setembro 24, 2010

NO MUNDO DO DADINHO


É isso aí, minha gente do botãobol. O Náutico, deste blogueiro, nessa 5ª feira, dia 23 de setembro, esteve em Brasília e visitou o Espaço Bola Quadrada, enveredando pelo mundo do dadinho.
Além de rever velhos amigos, os botonistas brasilienses, Marcelo Ferreira, Marcus Amorim, Paulinho e Bruno Machado, teve a grande oportunidade de fazer novos amigos do mundo maravilhoso do futebol de botões: Eduardo, Carlos, Fernando e o conterrâneo Marcos André, um torcedor rubronegro de quatro costados.
Dentro desse excelente ambiente, participou de um torneio e pode assim incursionar pela primeira vez na bola quadrada.
As dificuldades foram enormes, mas mesmo assim foi à luta, disputando um torneio e pode assim ficar mais familiarizado com o dadinho.
Na estréia, como era de se esperar, pagou um preço alto pela inexperiência e foi atropelado pelo Vascão, de Paulinho, que marcou um 3x0, sem dó, nem piedade.
Na sequência, o primeiro alento: um belo empate com o Flamengo, de Marcus Amorim, em 1x1, animando-o para o resto da competição.
E os jogos foram se seguindo: derrota para o Vitória, de Marcelo Ferreira, por 2x1, com gol em cima da hora dos baianos; outra derrota, dessa vez por 1x0, para o Sport, de Marcos André, num autêntico clássico regional.
Enfim, a primeira vitória: 3x1 em cima da Holanda, de Fernando Gomes, quando os alvirrubros tinham deixado de lado os botões de capa do Paris e partiram para cima do adversário com os craques do time do Racing. A vibração foi geral e, de imediato, seguiu para o segundo triunfo, dessa vez frente ao América, de Eduardo, já se apresentando com um novo time: o Peñarol. Fechando o circuito, realizou a melhor partida, num jogo cheio de alternativas, contra o Arsenal, de Carlos. Apesar da derrota por 3x2, o Náutico mostrou que o dadinho já não mais seria esse bicho de 7 cabeças.
Devido ao adiantado da hora, não pode enfrentar o último adversário, Bruno Machado, o que foi lamentável. Fica para uma próxima oportunidade.

Abiud e a Turma do Dadinho de Brasília
O que ficou disso tudo é que valeu esse convívio, esperando tão somente, já no Recife, poder retribuir toda essa bela acolhida que foi proporcionado por essa plêiade de botonistas da Capital Federal.
Obrigado, turma! Valeu! Espero comparecer mais vezes. Viva o botão.

sábado, setembro 18, 2010

VIRA, VIRA

Após um empate heróico, contra o Hércules, o Roma perde de goleada para o Coritiba

Amigos do botão, hoje, o campeonato oficial de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras) teve prosseguimento com a realização de quatro partidas. Em jogo atrasado, pela 7ª rodada, o Roma, de Carlinhos Setubal, conseguiu conquistar seu primeiro ponto em competições oficiais da APFM, ao empatar em 0x0 com o Hércules, de José Hércules.
Nos jogos da 8ª rodada, o Náutico, desse blogueiro, após sair atrás do placar, frente à Juventus, de Vandré Meneses, partiu com tudo para o ataque e conseguiu uma virada espetacular, triunfando por 2x1.

Na seqüência, o Fluminense, de Flávio Azevedo, perdeu a invencibilidade ante o Chelsea, de Hugo Alexandre, por 3x2, num vira-vira fantástico. O Fluzão chiou uma barbaridade com a arbitragem de Max Monteiro, mas depois viu-se que não havia a mínima razão para as reclamações.

Fechando a jornada, o Coritiba, de Cláudio Sandes, depois de um mau começo de partida, teve calma e acabou deslanchando em cima do Roma, goleando-o por 4x0.

Infelizmente, mais espinhos no jardim da APFM: o Inter de Milão, de Clóvis Sandes, foi eliminado do campeonato, após faltar a três jornadas consecutivas. Com isso, a competição, que começara com vinte equipes, vai seguir com os demais dezesseis times inscritos. É uma pena, mas a vida continua e bola prá frente.

A liderança segue firme com o Internacional, de Paulo Jiquiá, seguido bem de perto pelo Vila Belmiro, de Albertinho e pelo Fluminense, de Flávio Azevedo.

Sábado, dia 25 de setembro, estão reservadas novas emoções, se bem que o Náutico não se fará presente, pois irá curtir um fim-de-semana em Brasília, quando deverá visitar o Espaço da Bola Quadrada, o famoso jogo de botão de dadinho. Viva o botão.

ENGOLINDO SAPOS

Abiud Gomes e sua eterna luta pelo botãobol
É isso aí, minha gente do mundo mágico do botão. Mais uma vez a Associação Pernambucana de Futebol de Mesa se vê obrigada a agir com certa energia para que as competições por ela realizadas possam ter sempre um desfecho feliz.
Esse é o grande problema que se enfrenta no dia a dia. É lamentável que não se entenda que o espírito que rege o botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras) é o da desportividade. A APFM é uma sociedade formada por botonistas que frequentam a entidade para se divertirem, fazendo aquilo que mais gostam: jogar botão.
Infelizmente, alguns não sabem se comportar e não se conformam com algumas decisões tomadas, notadamente, durante os jogos de competições oficiais. Quando se pensa que vai tudo correr bem, eis que de repente, surgem desavenças, em sua maioria, provocadas por pequenas e insignificantes falhas.
Em outra edição deste blog, comentou-se sobre o problema das arbitragens e parece que não houve solução de continuidade, persistindo sempre as reclamações, muitas vezes infundadas, mas que no final gera grande descontentamento.
O que se observa é que quase todos os sábados há alguém deixando a sala de jogos aborrecido por ter perdido uma partida, fazendo acusações aos árbitros, verdadeiros abnegados e que estão ali voluntariamente, com o intuito de fazer com que as competições sigam num curso normal, sem atropelos. Isso é que precisa ser entendido e ficar bem claro.
Ninguém aqui tem prazer de prejudicar quem quer que seja. Falhas acontecem e irão sempre acontecer, porém, é preciso entender que as mesmas, quando cometidas, não têm o dolo que muitos possam acreditar que haja.
Quem assim pensar é aconselhável que, antes de vir para a APFM, medite um pouco, reflita e, se sentir em perfeitas condições, adentre à sala e passe a se divertir.
Evite trazer para a APFM problemas de fora e compareça com o espírito desarmado, pronto apenas para o lazer.
Ganhar, empatar ou perder é resultado exclusivamente do jogo. Quando termina a jornada, tudo é alegria, pois todos estão no mesmo ambiente sadio, de inteira amizade. É sentir saudades quando parte e pensar já no próximo sábado, para viver novas emoções. Esse é o pensamento do verdadeiro amante do futebol de botões.
Vamos, gente, evitar que a Diretoria da APFM continue engolindo sapos e mais sapos. É triste que isso ainda aconteça. Que venha a bonança. Viva o botão.

terça-feira, setembro 14, 2010

SAUDADES BOTONAIS

O nosso velho e querido Armando num momento feliz na APFM
Armando... !

Armando... !
Saudades!
Saudades botonais!
Saudoso e inesquecível,
Foi paciente e interessado,
Atencioso e cheio de bondade,
Armando Francisco nos brindou
com botões perfeitos e lindos.

Estava sempre à disposição
para nos receber.
Prometia qualidade
E produzia botões
Sob medida e exigências.

Armando foi festivo,
Foi vivedor sem igual,
Dançarino e alegre,
Não perdia festa,
Era bem aceito, querido.

Casado e amado,
Teve a família dos sonhos,
Era aceito por todos,
Não recusava convite,
E amava, amava os filhos.

Armando tinha a perfeição,
na ponta do estilete.
Trabalhava a matéria com amor,
Torneava-a com delicadeza
de artífice,
E não se enganava nos detalhes.

Mas, Armando foi ponto alto,
Foi artífice desafiando a arte,
Foi artista competente,
Produzindo belos espécimes.

Sua arte está por toda parte:
na coleção de todos os botonistas,
no coração de todos os celotexnistas,
na saudade de todos os que o amam.

Armando granjeou nossa simpatia,
Porque tinha um coração de pai,
Um sentimento de homem bom,
Um pudor de avô amoroso,
E um carinho puro e sincero.
HERCULES LEITE

Sala da Associação Pernambucana de Futebol
de Mesa.
José Hércules Leite
Recife, 28.08.2010

É isso aí, gente, do mundo mágico e fantástico do futebol de botões. Ficamos sem o nosso Gepeto, gênio criador de botões maravilhosos. Ele se foi, mas sua obra irá continuar por toda a vida. As peças por ele fabricadas, com todo amor e carinho, passam a ser consideradas relíquias. Ficou a saudade, junto com a gratidão de todos os botonistas. Obrigado, Armando!

domingo, setembro 12, 2010

É CAMPEÃO! É CAMPEÃO!

Abiud Gomes, o grande campeão do I Open Armando Pordeus de Futmesa
Aí está, minha gente do botão, a alegria desse blogueiro, que conseguiu levar seu Náutico ao título de campeão do I OPEN ARMANDO PORDEUS DE FUTMESA, realizado, no sábado, dia 11 de setembro, na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, dentro das comemorações do 56º aniversário de nascimento do maior nome na divulgação do futebol de botões de Pernambuco, o louco por botão, essa figura fantástica, Armando Pordeus.
Doze botonistas, do quadro da Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, atenderam ao convite do aniversariante e participaram do torneio de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras), no sistema mata-mata.
Estiveram presentes as seguintes equipes e seus diretores-técnicos: Náutico, de Abiud; Santos, de Adilson; Chelsea, de Hugo Alexandre; Internacional, de Paulo Jiquiá; Coritiba, de Cláudio Sandes; São Paulo, de Max Monteiro; Flamengo, de Fernando Brito; Fluminense, de Flávio Azevedo; Légia Varsóvia, de Dinoraldo Gonçalves; Corinthians, de Adriano Oliveira; Juventus, de Vandré Meneses; Vila Belmiro, de Carlos Alberto (Albertinho).
Os jogos da 1ª fase tiveram como vencedores os times do Fluminense, Chelsea, Internacional, Coritiba, Náutico e São Paulo, que eliminaram, pela ordem: Vila Belmiro, Corinthians, Légia Varsóvia, Santos e Flamengo. Nessa fase, apenas o Internacional conseguiu sua classificação através da disputa de pênaltis. As demais equipes avançaram para a 2ª fase, conquistando vitórias no tempo regulamentar de jogo.
Nos três jogos da 2ª fase, Náutico, Internacional e São Paulo passaram para as semifinais, com o Timbu eliminando o Chelsea, nos pênaltis, após empate no tempo regulamentar. Por sua vez, o São Paulo despachava o Fluminense, vencendo por 3x2, no tempo real de jogo. Já o Internacional foi beneficiado com a ausência do Coritiba, sendo considerado vencedor por WxO, atribuindo o escore de 1x0.
Para compor os dois jogos das semifinais, foi escolhida por sorteio, a equipe do Fluminense, que se juntou às três classificadas da 2ª fase.
No 1º confronto, o Náutico despachou o Internacional, vencendo-o por 2x1, classificando-se para a grande final do torneio.
Na outra partida, o Fluminense venceu, nos pênaltis, ao São Paulo, após um empate de 2x2 no tempo de jogo e partiu também para a decisão do título.
Na disputa pelo troféu de 3º lugar, o Internacional venceu o São Paulo por 6x3, num jogo super movimentado.
Veio a partida final e o Náutico fez um 1º tempo soberbo, abrindo uma vitória de 3x0. Na segunda etapa, o Timbu soube administrar a vantagem, mesmo tendo o Fluzão marcado seu gol de honra.
Depois, o que se ouviu foi o grito de "é campeão, é campeão". O Náutico coloriu de alvirrubro a festa do fanático e apaixonado torcedor rubronegro. Foi maravilhoso! Haja emoção!
Valeu, Armandão! Parabéns! Viva o botão.

ROSAS X ESPINHOS

Hércules x Corinthians, quando ainda tudo eram flores no botãobol
É isso aí, minha gente do botão. Tudo poderia ser maravilhoso, sem aperreios, num clima ameno, onde as coisas corressem nos conformes. Esse é o desejo de todos os que fazem a Associação Pernambucana de Futebol de Mesa.
Porém, mesmo com todos os esforços sendo feitos para que o botão se desenvolva num clima de normalidade, eis que surgem atropelos de última hora e que causam transtornos e mais transtornos, tirando a paz e a tranquilidade reinante no âmbito da entidade.
Tudo poderia ser um mar de rosas, exalando aromas fortes de bem-estar. Mas, aí aparecem os espinhos e sente-se a necessidade de superar todos os obstáculos para que a situação volte à normalidade. É a luta do dia a dia. Luta inglória, porém, perseverante.
Ontem, dia 11 de setembro, data cruel para a democracia, na insana luta contra o terrorismo internacional, parecia que no mundo mágico do botão, tudo seria festa, mais ainda quando se comemorava os 56 anos de vida dessa extraordinária figura do futebol de botões, Armando Pordeus, essa personalidade louca por botão, onde faltam adjetivos para traçar seu perfil. É simplesmente espetacular.
A APFM deu seqüência ao campeonato oficial de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras) e, após os jogos, seria realizado, como foi, o I Open Armando Pordeus de Futmesa.
Pelo campeonato, os destaques ficaram por conta da perda, pelo Internacional, de Paulo Jiquiá, dos 100% de aproveitamento, após o empate em 1x1 com o Flamengo, de Fernando Esperma. Por sua vez, o Coritiba, de Cláudio Sandes, perdeu a invencibilidade, baqueando frente ao Corinthians, de Adriano Oliveira, por 2x0.
O Fluminense, de Flávio Azevedo, é outro que vai a passos largos na competição, conquistando significativas vitórias. Dessa vez, venceu, por 2x1, ao Juventus, de Vandré, que retornava do Brasileirão 12 toques, com brilhante participação, onde classificou-se em 10º lugar na categoria Masters.
Os empates do Corinthians ante o Cruzeiro, de Marcos Cardoso (0x0) e o Hércules, de José Hércules (1x1) foram considerados normais, bem como o empate, também em 1x1, entre o Chelsea, de Hugo Alexandre e o São Paulo, de Max Monteiro.
Esses jogos traduziram o mar de rosas vivido pela Associação Pernambucana de Futebol de Mesa.
Mas apareceram os espinhos, que machucaram bastante o diretor de esportes da APFM, que além do desgaste no desempenho da função, ainda concentra seus esforços com a arbitragem no campeonato.
Começou com o Santos , de Adilson Ribeiro, que após perder para o Flamengo, de Fernando Esperma, chiou uma barbaridade, alegando que o árbitro da partida, Hugo Oliveira, prejudicou demasiadamente sua equipe, a ponto de atribuir a ele o fracasso pelo resultado do jogo.
Na seqüência, aconteceu coisa pior. O Itacuruba, de Alexandre Freitas, após sofrer o segundo gol, numa cobrança de falta, deselegantemente retirou-se de campo, por julgar que a falta que originou o segundo tento do Santos, de Adilson, simplesmente não havia existido. O curioso disso tudo é que o árbitro foi exatamente Hugo Oliveira, que já sofrera vexame na partida anterior. Essa atitude do Itacuruba levou a Comissão do Campeonato a aplicar o que manda o regulamento da competição, confirmando a vitória do Santos, por 2x0, escore estampado quando do abandono do Itacuruba e eliminando a representação rubronegra dos Afogados, sumariamente, do campeonato. O ato de Alexandre Freitas deverá ser julgado pelo Conselho de Decanos da APFM, o qual poderá ficar afastado de jogos oficiais da entidade por um prazo de 12 meses. É uma lástima que isso tenha acontecido
É de se lamentar também a eliminação do Vitória de Guimarães, de Azevedo Neto, mas aí a causa era nobre. Devido a seus inúmeros afazeres, Azevedo não pode mais continuar comparecendo aos sábados para realizar suas partidas. É uma pena, mas perfeitamente compreensível.
Enfim, para não juntar alhos com bugalhos, tudo sobre o sensacional I Open Armando Pordeus de Futmesa, brilhantemente conquistado pelo Náutico, desse blogueiro, será matéria de uma futura edição. Aguardem. Viva o botão!

domingo, setembro 05, 2010

UM SÁBADO COMO POUCOS NO BOTÃOBOL

Légia Varsóvia, de Dinoraldo, iniciando o show de Maldonado, ante o Guarabira, de Armando
Foi simplesmente fantástico este sábado, dia 4 de setembro de 2010, na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, com a realização de apenas cinco partidas do campeonato oficial de botãobol (futebol de botões na regra pernambucana, a rainha das regras).
Quem preferiu ir curtir o feriadão da independência, perdeu aquilo que foi maravilhoso no mundo do botão, traduzido no show de Maldonado, o botão camisa 7 do Légia Varsóvia, de Dinoraldo Gonçalves.
Qualquer adjetivo é pouco para dizer o quanto teve de magistral a performance do botão que se tornou o artilheiro do campeonato de botãobol, em andamento na APFM. Em três partidas, o craque marcou, nada mais, nada menos, do que 10 golaços.
Começou com quatro tentos no massacre ante o Roma, de Carlinhos Setúbal, quando o Légia aplicou 7x0 no oponente, na maior goleada da competição.
Na sequência, apesar de todo o esforço do Corinthians, de Adriano Oliveira, conseguiu vazar a meta mosqueteira, marcando o gol da magra vitória sobre o alvinegro do Curado.
Finalmente, o ápice do show, em cima do Guarabira, de Armando Pordeus, quando os poloneses mandaram um 5x0 sensacional, com todos os gols sendo marcados por Maldonado. Foi arrasador. Um belo espetáculo para os olhos. Uma maravilha!
Também foram realizados os confrontos Chelsea X Coritiba e Vila Belmiro X Flamengo. Em ambos, o empate de 1x1 mostrou o equilibrio dessas partidas. Vale ressaltar a queda da cidadela do Coritiba, de Cláudio Sandes, vazada pela primeira vez no certame. Os "Blues do Aeroporto", sob o comando de Hugo Alexandre, saíram na frente e por pouco não despachou o alviverde do Inês Andreazza. No outro confronto, o Vila Belmiro, marcou de frente, mas não conseguiu segurar a carga rubronegra de Fernando Esperma, contentando-se com a igualdade.
É uma pena que a tarde não tivesse sido só de espetáculos. É a vida, com seus altos e baixos, idas e vindas.
A Comissão do Campeonato foi obrigada a eliminar do certame a equipe do Jardim Brasil, de Marcos Cordeiro, que pela segunda vez na história da APFM, abandona uma competição oficial. Infelizmente, mesmo a contragosto, o regulamento foi aplicado e a ordem é seguir em frente. É página virada.
É deveras lamentável que isso aconteça, porém, o fato não tira o brilho da competição que segue com seus momentos emocionantes, com disputas acirradas e entusiasmadas.
Na realidade, botão é para quem gosta de jogar, de se divertir com os amigos, de competir com o melhor dos espíritos.
Isso é que faz o botãobol simplesmente maravilhoso. Que outros Maldonados apareçam e nos delicie com performances espetaculares. Salve o Légia Varsóvia, pela maravilha proporcionada. Parabéns, Dinoraldo! Viva o botão!

domingo, agosto 29, 2010

CONFRATERNIZAÇÃO NO BOTÃOBOL

O Náutico, de Abiud, não teve vida fácil diante do Itacuruba, de Alexandre
É isso aí, minha gente do futebol de botões e ligada ao botãobol (jogo de botão na regra pernambucana, a rainha das regras). A Associação Pernambucana de Futebol de Mesa viveu mais um sábado empolgante, com 12 partidas realizadas, válidas pelo campeonato oficial de 2010, porém, o que mais valeu foi a confraternização entre os diversos botonistas, sócios da entidade. Essa foi uma grande demonstração de amizade, provando que as disputas entre as diversas equipes são apenas amistosas, prevalecendo sempre o alto espírito desportivo. Foi um belo espetáculo.
De início, ressalte-se o Internacional, de Paulo Jiquiá, que no último sábado, dia 21 de agosto, havia homenageado o Cruzeiro, de Marcos Cardoso, comparecendo à sede da APFM, para seus jogos, vestindo a camisa estrelada. Como o botonista cruzeirense não compareceu nessa data, Paulo Jiquiá, ontem, aproveitou a presença de Marcos Cardoso e lhe entregou a gloriosa camisa celeste.
Por sua vez, o Náutico, de Abiud Gomes, que havia passado o último fim de semana na Bahia, ao retornar à terrinha, compareceu à Associação, trazendo na sua bagagem um presente que foi entregue a Hugo Alexandre, diretor de esportes da APFM, que aniversariou no dia 14 de agosto.
Pela vibração do aniversariante, parece que o presente foi de total agrado, pois, de imediato, Hugo apareceu vestido com a camisa oficial de treino do seu Chelsea e que veio lhe trazer sorte , pois, na partida válida pela 5ª rodada do campeonato, venceu, de virada, ao Hércules, de José Hércules, por 2x1, reacendendo as esperanças dos blues do Aeroporto no certame.
O campeonato seguiu seu curso e o Internacional, de Paulo Jiquiá, aplicou mais uma goleada. Quem sentiu a força colorada, foi o Guarabira, de Armando Pordeus, amargando um sonoro 6x0. Assim, o Saci continua na ponta da tabela de classificação, com 100% de aproveitamento.
Também se deu bem, na jornada deste sábado, o Coritiba, de Cláudio Sandes, vencendo seus dois compromissos, ambos por 1x0, frente à Juventus, de Vandré e à Inter de Milão, de Clóvis Sandes. Esses resultados deram ao Coxa a vice liderança da competição, também com 100% de aproveitamento e com um detalhe: sua meta ainda não foi vazada.
Outro que se saiu bem foi o Fluzão, de Flávio Azevedo, derrotando, inicialmente, o Guarabira, de Armando Pordeus, por 2x1 e, posteriomente, ao Itacuruba, de Alexandre Freitas, por 3x0.
Vale ressaltar que o gol do Guarabira, assinalado pelo botão camisa 7, Marcos, entra para a história do botãobol, pois foi o primeiro gol marcado pelo time paraibano em competições oficiais na regra pernambucana.
Quem poderia ter tido também um desempenho fantástico, seria o Cruzeiro, de Marcos Cardoso. De início, sofreu o diabo para conseguir um magro 1x0 em cima do inexperiente Roma, de Carlinhos Setúbal. Na seqüência, deslanchou em cima do Guarabira, goleando por 4x0. Quando tudo parecia que iria fechar a tarde com chave de ouro, eis que tropeça e cai diante da Inter de Milão, de Clóvis Sandes, por 1x0.
Já o São Paulo, de Max Monteiro, compareceu a campo e encontrou moleza frente à Juventus, de Vandré, derrotando-a por 3x0.
Por fim, o Náutico, de Abiud Gomes, até então invicto no campeonato, caiu diante do Flamengo, de Fernando Esperma, por 1x0 e depois tropeçou no Itacuruba, de Alexandre Freitas, empatando em 0x0, num final dramático. Parece que o alvirrubro exagerou nos quitutes da boa terra. O acarajé, ao que tudo faz crer, não entrou bem e o timbu acabou babando no azeite de dendê. Dessa vez, os orixás não ajudaram o Náutico. Sabiá, sabiá, melão, melão. Viva o botão!