Minha lista de blogs

domingo, junho 19, 2022

COM CANJICA E BOTÃO, O CHELSEA É CAMPEÃO!


CHELSEA - campeão do Torneio da Canjica 2022

Olha pro céu, meu amor!
Veja como ele está lindo...
Olha aquele Balão multicor,

Que lá no céu vai subindo...!


E pode se dizer que as multicores desse balão, em pleno festejo de São João, tornaram-se unicamente AZUL, com o título do TORNEIO DA CANJICA sendo conquistado pelo CHELSEA, de Hugo Alexandre!

Minha gente, e como bem diz a letra de “Olha pro céu”, realmente ele esteve lindo neste sábado, dia 18 de junho, com o sol resolvendo aparecer forte para brilhar nos céus da Regra Pernambucana, depois de sábados encharcados d’água.

Combinando céu azul e as cores do time inglês, eis que um 4º campeão se junta aos já classificados para a LIGA DOS CAMPEÕES, que será disputada ao final do ano.

Na sala Brasília, partindo para os preparativos do torneio, de antemão, já sabíamos que teríamos ausências significativas no quadro de competidores. Entre eles, o SAN LORENZO de Hélvio Ney, que encontra-se em SP para a disputa do Brasileiro de 12 toques. O CORÍNTHIANS, de Adriano Oliveira, que está em viajem pelo interior da Paraíba.

Uma das ausências deste dia 18, o VILA BELMIRO 

Outros dois pesos pesados que estiveram ausentes foram o VILA BELMIRO, de Albertinho, que sentindo o nervo ciático, precisou se hospitalizar na sexta-feira e, consequentemente, repousar em casa no sábado para recuperar as condições de caminhar. E o nosso CRUZEIRINHO, de Marcos Cardoso, presença dada como certa desde aa semana inteira, comunicou à todos que precisaria permanecer em casa devido a uma inesperada suspeita de COVID-19. Nosso Marcos Cardoso está bem, em casa, seguindo os protocolos de saúde e segurança. Que ambos estejam prontos para a sexta etapa da Regra Pernambucana, em julho.

Com estes desfalques, lista-se os seguintes competidores do Torneio da Canjica 2022:

FLAMENGO, de Fernando Enéias, HÉRCULES, de José Hércules Leite, SANTOS, de Adílson Ribeiro, ITUANO, de Dinoraldo Gonçalves, ÍBIS, de Daniel “Piru, CHELSEA, de Hugo Alexandre, SÃO PAULO, de Max Monteiro, MILAN, de Diogo Ayala e UNIÃO NAUDRICANA, de Eliakim Ramos. No total, 9 competidores, que foram divididos em 3 grupos de 3 times, classificando 1 de cada grupo para o triangular final.

Vamos ao desenrolar da competição, jogo a jogo!

GRUPO 1

Formado por FLAMENGO, UNIÃO NAUDRICANA e ÍBIS

UNIÃO NAUDRICANA, sem se intimidar, partindo pra cima do FLMAENGO


O jogo que abriu a jornada do Torneio da Canjica se deu pelo grupo 1, envolvendo FLAMENGO,. De Fernando Enéias e UNIÃO NAUDRICANA, de Eliakim Ramos. Olhando para o confronto, poderia-se dizer que seria um jogo fácil para o Mengão. Seria...! Embora ainda ensaiando os primeiros passos na Regra Pernambucana, o UNIÃO mostrou-se criativo nas jogadas e ameaçador no ataque, não deixando o Flamengo se soltar em campo. A prova disso é que o golzinho salvador do urubu só saiu no finalzinho do jogo, lá no segundo tempo, e que por muito pouco não terminava empatado. Vitória sofrida do experiente Flamengo por 1x0

MENGÃO abrindo caminho para a magra vitória por 1x0 frente o ÍBIS
 

O segundo duelo teve o mesmo FLAMENGO, de Fernando, enfrentando o “chupetinha” ÍBIS, de Daniel “Piru”, que entrava em campo prometendo desclassificar o Mengão. E nessa briga de pássaros, a coisa parecia caminhar para um empate, não fosse um achado raro do Flamengo, criando uma única jogada que redundou em gol. Flamengo 1x0, em mais uma vitória sofrida e quase desperdiçada. A sorte cantou para o lado do Urubu do Hospício, que classificava-se com 6 pontos ganhos.

UNIÃO NAUDRICANA, senhor das ações contra o ÍBIS, conquistando sua primeira vitória na REGRA PERNAMBUCANA
 

Restava ainda o embate entre UNIÃO NAUDRICANA e ÍBIS, num duelo de dois recém chegados à Bola de Borracha. Apesar de já não valer vaga no triangular final, os 3 pontos seria de suma importância para as pretensões de ambos, no ranking de entrada 2022. Com isso em foco, a peleja começou pra lá de emocionante, com ataques alternados e perigosos. Num lance curioso de saída de goleiro, o arqueiro do ÌBIS “furou” o toque na bola, o que na regra, permite-se que o atacante finalize em gol, sem a necessidade de mandar colocar-se. Assim, com a barra escancarada, o UNIÃO abriu o placar frente o Pássaro Negro.

"Pode vim, Íbis... a vitória é nossa!" 

Ainda no primeiro tempo, sentindo o gol tomado, o Íbis recuou, cedendo espaço para o perigoso e articulado ataque Naudricano, que confirmou sua superioridade em campo com um chutaço da intermédiária, estufando a rede por cobertura, fechando o caixão ainda na etapa inicial. Na fase final de jogo, o UNIÃO apenas administrou aquela que seria a sua primeira vitória no mundo da bola de borracha, vitória essa bastante comemorada ao final do embate: União Naudricana 2 a 0 no Íbis.

GRUPO 2

Formado por SANTOS, ITUANO e HÉRCULES

Matreiro, HÉRCULES despacha o SANTOS por 1 tento a 0


Eis aquele que poderia ser considerado o GRUPO DA MORTE, composto por figurões da Regra PE. Para abrir as disputas pelo grupo, HÉRCULES, de J.Hércules e SANTOS, de Adilson Ribeiro, foram os protagonistas das primeiras emoções. Tidos como 2 duros oponentes em qualquer jogo que seja, ambos são conhecidos pela matreira forma de articular lances, sempre dificultando a criação de jogadas de seus oponentes, pelo contínuo uso da chamada “zona da galinha”, quando a bola “morre” nas proximidades das marcações de escanteio, zona que exige bastante habilidade e muito trabalho para recuperação de posse da bola.

Com um enunciado assim, entende-se que esse jogo jamais poderia haver goleada, não é mesmo? E foi o que aconteceu. Com apenas 1 balançar de redes, o Hércules sagrou-se vencedor do CLÁSSICO TRUNCADO, garantindo seus 3 primeiros pontos.

Empate recheado de gols entre SANTOS e ITUANO
 

Permanecendo em campo, o SANTOS agora precisava vencer, a todo custo, o ITUANO, de Dinoraldo Gonçalves, que vinha determinado a se classificar às finais do Torneio. Aqui, minha gente, para a surpresa dos que acompanhavam o jogo, viram o PEIXE partir pra cima, saindo de sua forma clássica de jogo, a catimba. O jogo transformou-se num emocionante lá e cá, com Santos e Ituano fazendo feridas em ambas as defesas. Ao soar do cronómetro, um exaustivo e espetacular 3x3 estava decretado no placar. Esse empate tirava o Santos do torneio, mas de forma digna de se ver. Por outro lado, o ITUANO se credenciava a lutar pela vaga à final, tendo que vencer o HÉRCULES, no jogo decisivo do grupo 2

HÉRCULES atuando para conquistar a vaga no triangular final
 

E lá se foram HÉRCULES e ITUANO a decidir quem avançaria, com os gregos precisando apenas de um empate para avançar. E com a bola rolando, o Hércules manteve-se em sua forma única de jogar, sem pressa, calculista, usando toda extensão do campo, chutando na boa e deixando “bola osso” para o adversário, quando assim se esgotavam seus 12 toques. Nessa mesma cadência, as tentativas do ITUANO foram vãs e de nada adiantaram para mudar o placar, que permaneceu em 0x0, dando vez ao Hércules no triangular final.

GRUPO 3

Formado por SÃO PAULO, MILAN e CHELSEA.

Incontestável vitória do MILAN diante do SÃO PAULO... É neto batendo avô!


Gente, parece combinado, mas o sorteio de todos os torneios, até agora, colocaram SÃO PAULO e MILAN frente a frente nos campos da Bola de Borracha. Sim, avô e neto brigando por vaga em fase posterior

E foi justamente SÃO PAULO, de Max e MILAN, de Diogo, que abriu a peleja do grupo 3.Será que “Carranquinha” deslancharia finalmente rumo ao título na Regra PE? Nesse jogo, absolutamente, sua superioridade em campo foi incontestável. Dominou o jogo de início ao fim, provocando o São Paulo a diversos erros, erros estes que redundaram em 2 golaços dos milaneses, fechando o placar em 2x0. Que vitória do neto sobre o avô!

CHELSEA busca virada e abre caminho para o título
 

O segundo embate do grupo foi entre o empolgado MILAN, enfrentando agora o CHELSEA, deste que escreve. Ao Milan, a vitória determinaria a sua passagem de fase de forma triunfal e era isso que os Blues tinha que impedir. Meus amigos, os italianos vieram ferozmente pra cima dos ingleses, abrindo o placar na primeira grande chance de gol. Os Blues responderam de imediato, ao reiniciar o jogo, chegando ao gol de empate em apenas 4 toques. Veio a etapa complementar e com ela, o nervosismo de Carranquinha, que começou a entregar bolas bobas aos azuis da Inglaterra, que souberam aproveitar a deixa e virar o jogo. Final de partida: 2x1 para o Chelsea, deixando o Milan em maus lençóis.

SÃO PAULO tentou, em vão, furar a defesa inglesa
 

O desfecho do grupo 3 ficava por conta de SÃO PAULO x CHELSEA. Ao tricolor do SAMU, só restava vencer e vencer, o que embolaria o grupo deixando cada um com 1 vitória. Ao Chelsea, bastava um empate. Com a bola rolando, o Chelsea se colocou numa posição cautelosa em jogo, esticando suas jogadas até o12º toque, sem se arriscar a chutar, perder e entregar a bola ao adversário. E foi assim durante todo o jogo. Com o regulamento debaixo do braço, 0X0 foi a passagem para a final, dos Blues da Inglaterra

TRIANGULAR FINAL

Formado por FLAMENGO, HÉRCULES e CHELSEA.


Eis os 3 finalistas. Três velhas figuras da Regra Pernambucana onde dois deles ainda não conquistara título na temporada atual. Teríamos o Flamengo repetindo conquista, chegando ao 3º troféu no ano?

Empate sem gols no primeiro duelo das finais, entre HÉRCULES e FLAMENGO
 

A finalíssima começou com FLAMENGO e HÉRCULES se enfrentando na arena 5, campo sorteado para receber os 3 jogos finais. Conhecido pela dificuldade de fazer gols nesse campo, simplesmente porque a bola “não sobe”, a peleja indicava que o placar seria baixo, principalmente porque o matreiro HÉRCULES era um dos competidores. E não deu outra. Catimba, falta de lances perigosos acrescidos de erros e ingarridas, o placar desse primeiro duelo ficou inalterado ao soar do cronômetro. Era 0x0 não muito interessante para as pretensões de título de ambos.

Senhor das ações, CHELSEA despacha MENGÃO com 2x0 no marcador
 

Permanecendo em campo, o FLAMENGO tinha agora o CHELSEA para tentar vencer e dar um passo importante para a conquista. Mas será que os Blues iriam ceder fácil essa conquista? Bola rolando e lá estava um certo equilíbrio em campo, com boas investidas de cada lado. Porém, na medida em que se aproximava o intervalo de jogo, os Blues soltaram-se mais em campo, chegando com mais perigo à meta flamenguista. Na segunda etapa, a sensível superioridade inglesa traduziu-se em gols, de fato. E foram em 2 lances consecutivos, escrevendo assim um sólida vitória frente ao já caleijado de títulos, o Flamengo. CHELSEA 2X0 no FLAMENGO, largando na frente na última corrida do torneio.

Primeiros movimentos do jogo decisivo do TORNEIO DA CANJICA entre HÉRCULES e CHELSEA
 

Com o Mengão já sem chances de levantar o caneco, CHELSEA e HÉRCULES ficaram agora para decidir, quem dos dois, seria o CAMPEÃO do TORNEIO DA CANJICA. De cara, já saberíamos que teríamos título inédito em 2022. Ao Hércules, só a vitória interessava. Ao Chelsea, o regulamento lhe dava condições de ser campeão sem precisar vencer.

Sendo o Hércules que precisava sair pro jogo, eis que os gregos ensaiaram um ataque orquestrado e concatenado, porém, encontrando sólida marcação inglesa. Os chutes aconteceram, mas, de longa distância, o que não é o forte dos gregos. Já os blues, quando partiam para o ataque, repetiram a mesma tática usada contra o São Paulo: Esticar a posse de bola até o 12º toque e só chutar com bola boa. E não é que deu certo?

Teve até drone fotografando CHELSEA x HÉRCULES


Passaram-se 30 minutos sem que as redes fossem balançadas e quando a posse de bola estava nos pés dos blues... TITITITI....TITITITI....TITITITI.... soava o cronômetro estampando o placar necessário para gritar CAMPEÃO pelo lado Inglês: ZERO a ZERO que valeu troféu!

Eis, meus amigos, a CANJICA junina com molho inglês! Acho que esse prato nordestino, nunca recebeu tal tempero!

Eliakim, do U. Naudricana, entrega o troféu ao campeão do Torneio da Canjica
 

Fim de festa com abraços fraternais, cumprimentos efusivos e grande alegria daqueles que participaram da festa junina da Bola de Borracha. Com o título da quinta etapa da temporada de 2022, o CHELSEA, de Hugo Alexandre se une a FLAMENGO, VILA BELMIRO e CORÍNTHIANS, sendo estes, os já classificados para a grande disputa final do ano, envolvendo os campeões de 2022.

O CHELSEA desencantou, depois de insucessos nas primeiras etapas. Agora, fica a expectativa para a COPA VACO-VACO, que será em julho, onde esperamos contar com os mesmos nove competidores e todos aqueles que estiveram ausentes neste dia 18 de junho.

O torneio terminou, mas não pense que a festa parou por aqui. Junho está à todo vapor e próximo sábado ainda será tempo de comer canjica, pamonha e bolho de milho. Venha simbora, celebrar o mês comendo e jogando botão, pois próximo sábado será até as canelas doer, num dia recreativo de amistosos!

Viva São João... Viva o Botão!

GALERIA DE FOTOS DO

TORNEIO DA CANJICA


"Bebemorando" o terceiro lugar, FLAMENGO recebe a medalha das mãos de Daniel "Piru"


Dinoraldo concede a taça de VICE-CAMPEÃO ao HÉRCULES


O pódio dos vencedores do Torneio da Canjica 2022


O belíssimo time de resina do CHELSEA, vencedor do torneio










domingo, junho 12, 2022

NOS FESTEJOS DE SÃO JOÃO, TEM TORNEIO DE BOTÃO

VILA BELMIRO, com seu time "do milho", ensaiando o que vem por ai nesse São João!


Minha gente!

Rasgamos nosso calendário virando o mês e quando apenas piscamos os olhos, nos damos conta de que estamos mês de junho adentro, num período pra lá de festivo para o público nordestino.

Os famosos festejos juninos é a tônica pelas bandas pernambucanas, a começar pela tradicional festa de Santo Antônio, atingindo seu auge com o São João e, antes de apagar a fogueira, nos últimos acordes da sanfona para festejar São Pedro, antes de julho chegar!

Os sabores nordestinos em destaque nos festejos juninos

E quando falamos em festejos juninos, uma imagem que vem na mente, trazendo água escorrendo no canto da boca, é a culinária característica da época, a base de milho, numa rica e variada forma de transformar o milho verde em saborosos pratos típicos nordestinos.

Meus amigos, todo esse cenário, enfeitado de bandeirinhas de São João, chapéu de palha, camisa quadriculada, mesa farta e forrozinho arrasta pé, por incrível que pareça, só nos inspira ainda mais a.... JOGAR BOTÃO!

TORNEIO NA CANJICA, a próxima etapa do calendário 2022
 

E é justamente nesse clima, que a APFM anuncia, para o próximo sábado, 18 de junho, a quinta etapa do calendário oficial da Regra Pernambucana, com a realização do TORNEIO DA CANJICA!

E evidentemente, este sábado dia 11 de junho, como último sábado antecedente ao evento oficial, serviu unicamente para os últimos ajustes e calibragem de punho no acerto da pontaria e busca pela estratégia perfeita para superar os adversários.

SAN LORENZO e CRUZEIRO batendo bola no início dos trabalhos deste sábado, dia 11
 

Na Sala, como sempre palhetando, estiveram desde cedo o SAN LORENZO, de Helvio Ney, o CRUZEIRO, de Marcos Securinha, o IBIS, de Daniel Piru, SÃO PAULO, de Max Monteiro, MILAN, de Diogo Ayala, FLAMENGO, de Fernando Enéias, CHELSEA, de Hugo Alexandre, além do CORINTHIANS, de Adriano Oliveira e o VILA BELMIRO, de Albertinho.

Feliz da vida por regressar à APFM, eis o FLUMINENSE, de Flávio AFA, "tecando" com a gente neste dia 11 de junho.
 

Também tivemos a presença relâmpago do FLUMINENSE, de Flávio AFA, que há muito tempo não “tecava” a Regra Pernambucana. Flávio, que é atleta do Unimesa e joga oficialmente a 12 toques, acena e ensaia uma volta aos campos da pelota emborrachada, prometendo patrocinar o torneio do mês de Outubro, com a AFA CUP, ofertando os 3 troféus do Torneio, ao mesmo tempo que participará, jogando.

ÍBIS e SÃO PAULO perdidos no jogo, sem se preocupar com as horas
 

Fechando a conta, foram 10 apaixonados pelo futebol de botão, jogando animadamente nas arenas da Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, enquanto que uma caixinha de som ecoava as letras do forrozinho de São João, dando aquele fundo musical especial nas partidas que se desenrolavam livremente.

E as chuvas no Recife, deram uma trégua dessa vez?


Gente, acho que os céus resolveram marcar o sábado para despejar chuvas sobre o Recife. Passaram-se a terça, a quarta, a quinta... sempre com o sol aparecendo forte, embora pancadas de chuva tenham-se feito nestes dias. Mas na chegada da noite da Sexta-feira e na virada da madrugada do sábado, as águas voltaram a cair forte sobre o Recife.

Chuva... chuva.... Haja chuva novamente, neste sábado, dia 11
 

E claro, não deu outra: O Sábado, dia 11 de junho, amanheceu naquele tom “cinza escuro” para todos os lados que se olhava, com uma cortina de água diante dos olhos, dificultando enxergar inclusive, as casas e telhados da vizinhança. 

Mas mesmo assim, os aventureiros da bola de borracha partiram para o centro da cidade, levando além da bolsa de botão, rodo, baldes e panos de chão. Isso, claro, já prevendo encontrar o cenário interno da Sala Brasília, já descrito em matérias anteriores aqui, de A MARRETA.

Destacando o piso encharcado da APFM, em mais um dia chuvoso em Recife
 

E não foi diferente. As torrentes d’água que caíram na madrugada e início da manhã deixaram a APFM inundada novamente, com o piso encharcado. A velha marquise situada sobre os janelões da sala, lá estava a canalizar água para o interior do recinto. Este, sem dúvida, será nosso carma durante todo o rigoroso inverno de 2022. Arregaçando as mangas, tome rodo e balde a trabalhar, orquestrado pelos panos de chão.

Rotina em dias de chuva: Eis Fernando Enéias, com um sugador artesanal, puxando água acumulada na Sala Brasília!
 

Muito embora os presentes tenham reencontrado a sala nas mesmas condições da semana passada, ninguém arredou o pé da APFM antes das 17hs. Sem se importar com o doer das canelas, todos queriam mesmo era aprimorar as técnicas e calibrar a pontaria, porque dentro de 7 dias, a quinta etapa da temporada estará em disputa, valendo o Troféu da Canjica.

Agora, até lá, entra-se naquela fase de escolher exatamente que time levar a campo e para isso, cada um tem 7 dias para definir seus representantes na competição.

Para o TORNEIO DA CANJICA, tem gente prometendo se fazer presente a caráter, com chapéu de palha, camisa quadriculada ao invés de time de futebol, bermuda remendada, tocando na caixa de som aquele forrozinho arrasta pé. E na mesa, será que teremos canjica, pamonha e pé-de-moleque disputando espaço com os botões do Torneio?

Pode se esperar de tudo quando o assunto são as comemorações de São João e festejos juninos. E unir tudo isso ao prazer de Jogar Botão, é coroar os festejos da melhor maneira possível.

Vamos forrozar... Digo, jogar botão?

Viva São João! Viva o Botão!

segunda-feira, junho 06, 2022

É BOTÃO OU POLO AQUÁTICO?

 

Aparentemente, BOTÃO... mas parecia Polo Aquático!

Minha gente!

O mundo da bola de borracha conseguiu reconectar seu dia de futebol de botão neste sábado, dia 04 de junho, muito embora ainda debaixo de muita água vinda dos céus.

Como vimos nas últimas duas semanas, as chuvas não permitiram que o dia a dia dos pernambucanos se desenvolvesse em sua trajetória normal, causando caos e destruição em muitos bairros da capital pernambucana e evidentemente, a prática de nossa Regra Pernambucana não ficou isenta de sofrer com os acontecimentos.

Fachada frontal do Edifício Brasília, A sala da APFM é no lado dorsal do prédio, com janelões semelhantes aos que estão sob a marquise.

Especificamente, nossa sala Brasília, que abriga a APFM e que fica localizada em um edifício antigo no coração de Recife,  apesar de estar no 1º andar de um prédio comercial (e residencial também), o Edifício Brasília sofre bastante nos tempos de chuvas fortes, com infiltrações e verdadeiras lagoas que se formam no interior da sala.

Justifica-se o fato de ser um prédio antigo, com seus inúmeros problemas comuns aos condomínios do centro da capital pernambucana e que aprendemos a conviver com eles, procurando alinhar as melhorias em comum acordo com os administradores do prédio, investindo muitas vezes com dinheiro próprio, na tentativa de remediar com paliativos, os problemas que surgem com o avançar dos anos.

À esquerda, Ed. Brasília com sua área lateral. No topo, a parede lateral da APFM onde observa-se a marquise que tanto prejudica a Sala Brasília em tempos de chuva

Em nosso caso, há uma marquise sobre os janelões da Sala Brasília, cuja engenharia arquitetônica direciona e canaliza as águas das chuvas justamente na direção destes janelões da APFM, acarretando numa enxurrada para o interior da sala, inundando o espaço onde ficam as arenas da Regra Pernambucana.  Com chuva fraca, nada de mal acontece. Mas quando se torna moderada ou forte, intensificada com rajadas de vento, ai a coisa complica.

Felizmente, os campos não são afetados com água sobre eles.
Em destaque, Íbis e Vila Belmiro, nesse sábado de chuvas

Os campos, felizmente, nada sofrem, porém, é necessária uma força tarefa dos sócios e praticantes da Bola de Borracha no sentido de escoar e secar todo o interior da sala, para que se torne praticável o jogo de botão.

E foi assim neste sábado, 04 de junho, num dia que começou apenas nublado, mas com um forte indicativo de chuvas torrenciais ao longo do dia, que se confirmaram por volta das 10hs da manhã. Com duração de 2 horas e meia, foi o suficiente para desfazer toda arrumação que havíamos feito, tornando a inundar a sala da Regra Pernambucana.

CRUZEIRO e FLAMENGO se enfrentando entre paredes encharcadas pelas chuvas

Estávamos em 9 pessoas na Sala Brasília, e depois de enfraquecer a chuva, nova força tarefa foi inicializada pelos que lá estavam. CRUZEIRO, de Marcos sempre “Securinha, o FLAMENGO, de Fernando Enéas, HÉRCULES, de José Hércules Leite, SÃO PAULO, de Max Monteiro, MILAN, de Diogo Ayala, CHELSEA, deste aventureiro, ÍBIS, de Daniel “Piru”, VILA BELMIRO, de Albertinho e o CORÍNTHIANS, de Adriano Traves, todos, no que puderam ajudar, estavam a passar rodo, escoar o alagamento, coletar água, secar piso e deixar tudo arrumado novamente.

Você deve se perguntar: O pessoal continuou mesmo a jogar enquanto chovia?

Oito, dos nove presentes na APFM. Destaque para o piso, todo alagado, sem que os securões arredem o pé da APFM.

Bem... como ninguém é de ferro e os campos não são afetados pela chuva, o jeito foi seguir jogando enquanto chovia, e exercer a força tarefa depois que ela realmente, parou. Na foto acima, é possível verificar o brilho do piso molhado, enquanto o povo securão joga a Regra Pernambucana livremente!

O menos impactante, é que o sábado já seria de amistosos e jogos descontraídos, sem a validade de 3 pontos em disputa de algum torneio. Sendo assim, nosso calendário oficial não foi afetado, pelo menos de momento, por não haver coincidido um dia de torneio com as calamidades geradas pelas chuvas no Recife.

Depois de secar novamente a sala, avô e neto se mandaram pro campo... Bora Jogar!!!

Ainda sobre nosso ambiente de jogo e os problemas estruturais que a Sala Brasília apresenta, José Hércules Leite, proprietário da Sala Brasília, já vem antecipadamente tomando as providências necessárias junto ao condomínio, que acena com a execução de ações corretivas e sanativas em definitivo, de um problema que já acompanha a APFM desde muitos anos.

Vamos ver se estas ações passam da forma verbal para a prática, de fato, e que possamos conviver com nosso amado Futebol de Botão, faça sol ou faça chuva.

Uma coisa, é certa: Não falta amor e dedicação daqueles que compõem a família da Bola de Borracha, no sentido de manter viva e acesa, a prática da Rainha das Regras, a Regra Pernambucana, em sua essência, mesmo debaixo d’água!

Próximo sábado, mais amistosos... Mas teremos rodo, baldes e panos de chão junto aos campos? Só os céus dirão!

Viva o Botão!

segunda-feira, maio 30, 2022

UM DIA PARA RETIRAR DO CALENDÁRIO DE 2022

 

Imagens do G1 sobre as calamidades das chuvas em Pernambuco

Meus Amigos,

Se houvesse meios de tornar o ano de 2022 apenas com 364 dias, com certeza, o povo Pernambucano assim procederia, deixando de escrever na história do estado, as catastróficas cenas que se viu ao longo do sábado, 28 de maio. Como seria melhor que ele não estivesse no nosso calendário!

Lamentavelmente, como  vimos e acompanhamos nos noticiários a nível nacional, as chuvas resolveram castigar de forma mais intensa, várias cidades nordestinas, e em especial, o meu querido Recife.

Foto registrada em O ESTADÃO

Ruas que se transformaram em rios, barreiras que deslizaram violentamente, casas que rolaram morro abaixo, residências tomadas por lama e água acima da cintura, vidas que foram arrastadas pelas correntezas violentas das águas... Tantos foram os relatos vivenciados e registrados por centenas de celulares em mãos atônitas e perplexas por tudo o que acontecia. Tristes e inesquecíveis momentos num sábado, 28 de maio de 2022.

Não poderíamos iniciar nossa matéria sem mencionar tal ocorrido, e claro, registrar nossa solidariedade e disposição na ajuda no que for necessário, dentro de nosso alcance, numa ação humanitária que se faz emergente!

Diante do espantoso e alarmante amanhecer deste dia 28, evidentemente que nosso tradicional dia de prática e vivência esportiva do Mundo do Botão foi totalmente afetado e impossibilitado de ser realizado. Sem conseguir sequer sair de nossos muros residenciais, o acesso ao centro do Recife, onde fica a sede da APFM, era algo impossível de ser pensado em fazer.

Desta feita, a APFM manteve-se de portas fechadas, enquanto nós, pela única via de comunicação prática de nossos dias, o Whatsapp, mantínhamos contato e ciência do que ocorria entre nós, cada qual em seu recinto, pedindo aos céus pelos nossos.

AINDA SOBRE O CHIFRONÉSIO, UM TROFÉU INUSITADO APARECE

Voltando-se para nossa matéria botonística, havíamos preparado um relato breve de uma nobre premiação ocorrida na APFM, ainda no último sábado, 21 de maio, dia da disputa da COPA CAXINGUELÊ, premiação esta que não fazia referência à própria Copa em disputa, mas sim, devia-se inteiramente ao resultado inusitado do CHIFRONÉSIO, quando 2 times celebraram a conquista do Troféu Chico Barbosa.

FLAMENGO, um campeão que não levou troféu pra casa

Naquela ocasião, FLAMENGO, de Fernando Enéas e CORÍNTHIANS, de Adriano Barras, terminaram rigorosamente empatados no triangular final, muito embora o Mengão tivesse vencido no confronto direto, sendo este um critério básico de desempate. Porém, sem uma definição clara sobre esse ponto de desigualdade, o TIMÃO reivindicou o seu direito ao troféu, gerando a já relatada polêmica e culminando na premiação dupla de título daquele torneio.

Ora, naquela mesma ocasião, havia apenas 1 único troféu de campeão. E como seria então, para premiar os 2 times dados como campeões?

Registro de uma surpresa que seria ofertada ao FLAMENGO (2º da esquerda para a direita)

Alguns sugeriram serrar ao meio... Claro! Mas a sensatez indicava a aquisição de um outro troféu, idêntico ao já ofertado ao campeão, para que dessa forma, ambos levassem o um mesmo troféu para as suas galerias. Contudo, Fernando Enéas, do FLAMENGO, abrindo mão de receber o prêmio, contentou-se unicamente com a pontuação no Ranking que lhe coube pelo título, cedendo o único troféu ao CORÍNTHIANS, de Adriano Oliviera.

Diante disso, José Hércules Leite (que na foto acima aparece em 2º, da direita para esquerda), nosso líder e acolhedor da APFM na sala Brasília, que a si pertence, resolveu condecorar o FLAMENGO com um troféu inusitado, e absolutamente desejado por qualquer praticante de botão, mais ainda que o próprio troféu do torneio.

Mengão apresentando seu "TROFÉU", o time presentado por Hércules.

Olhando para a sua vasta coleção de times, separou alguns deles para que, de maneira aleatória, Fernando Enéas pudesse escolher livremente, tomando-o, ao mesmo tempo como um presente amigo, como um troféu referente ao Chifronésio, conquistado merecidamente pelo Flamengo.

Então, feliz da vida, com um sorriso ainda mais largo do que na própria ocasião do título, eis que o Flamengo ostentou o belíssimo troféu ganho das mãos de Hercules Leite, que cedeu e fez questão de presentear o amigo.

Time de acrílico, em camadas, que em breve, vestirá as cores do Flamengo

Depois da premiação, muitas ofertas e pedidos de negociação foram direcionados ao Mengão da Rua do Hospício, mas todos absolutamente negados pelo técnico, com o sólido argumento de que “TROFÉU conquistado não se vende, não se troca, não se empresta... Esse, muito provavelmente, vai pro caixão, sete palmos abaixo da terra!

O mesmo time, já portando os escudinhos do Mengão

E sobre nosso calendário de junho de 2022, quando deveremos realizar o TRONEIO DA CANJICA, por ocasião dos festejos juninos, o que antes estava marcado para 18 de junho, provavelmente anteciparemos para 11 de junho, um sábado antes do previsto.

Este próximo torneio será patrocinado pelo nosso amigo FLÁVIO AFA, do FLUMINENSE, que está retornando aos madeirados da Bola de Borracha e quer celebrar seu retorno ofertando os 3 troféus do Torneio, com a AFA CUP – TORNEIO DA CANJICA.

Mais detalhes nós traremos na próxima edição de A MARRETA.

Enquanto a semana não passa, para vivenciarmos um dia relaxante de jogos e amistosos de botão, seguimos por aqui, reunindo forças e ajudando no que podemos, aos nossos irmãos e amigos que foram duramente castigados pelas chuvas dos últimos dias.

Roupas, comida, lençóis, colchões e mesmo qualquer quantia em dinheiro sempre será de grande valia, num ato de caridade imenso. Muitos de nossos amigos e conhecido estão desabrigados, necessitando de uma mão amiga, que os ampare.

Que Deus nos proteja e nos guarde de todo mal!

segunda-feira, maio 23, 2022

IRRETOCÁVEL TÍTULO DO VILA BELMIRO NA COPA CAXINGUELÊ

 

COPA CAXINGUELÊ em pleno andamento na APFM

Meus amigos,

Depois de dois finais de semana inteiramente confortáveis, com um ambiente convidativo apenas a conversas e prosas em torno das mesas da Bola de Borracha, chegou o dia de sair da zona de conforto para realmente brigar pra valer, numa disputa por um novo troféu dentro da temporada 2022 da Regra Pernambucana.

Sem dúvida, o sábado, 21 de maio amanheceu na expectativa de quem seria o grande vencedor desta 4ª etapa do ano, onde se viu, até o momento, FLAMENGO, CORÍNHIANS e VILA BELMIRO revezando o topo das conquistas... Quem será que levaria dessa vez? Uma repetição de um destes três citados? Ou teríamos um novo nome cravado no lugar mais alto do pódio?

Em destaque, os cobiçados prêmios da Copa Caxinguelê

Já na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, próximo do horário determinado para o encerramento das inscrições e início da disputa, apesar do entusiasmo dos que já se aqueciam para jogar, via-se claramente um esvaziamento da quantidade de competidores. Enquanto tivemos 16 botonistas na abertura da temporada, por exemplo, para a COPA CAXINGUELÊ, apenas 10 times se apresentaram para a peleja...

APENAS 10 TIMES... E como realizar um mata-mata com apenas 10 times, objetivando criar uma boa disputa com emoção e motivação para, de fato, deixar o troféu atrativo aos olhos de todos?

Dentre os presentes, confirmaram-se o CORÍNTHIANS, de Adriano Barras, CHELSEA, de Hugo Almeida, SÃO PAULO, de Max Monteiro, MILAN, de Diogo Ayala, ÍBIS, de Daniel Moura, AJAX FOGO, de Dinoraldo Gonçalves, SAN LORENZO, de Hélvio Ney, BOTAFOGO, de Marcos Silva, FLAMENGO, de Fernando Enéas e, por fim, o VILA BELMIRO, de Albertinho.


FLAMENGO se preparando para estrear... E já de cara, contra o VILA BELMIRO

Era pouca gente para um “perdeu, saiu”, não acham? Então, mudando o formato pré condicionado para os torneios mensais, elaboramos uma competição de grupos, onde a composição ficou dividida em 2 triangulares e um quadrangular, sendo 2 grupos com 3 times e 1 grupo com 4 times, com os competidores se enfrentando entre si, cada qual em seu grupo.

Dos grupos em triangular, o primeiro colocado estaria na semifinal, bem como pelo quadrangular, os 2 primeiros garantiriam vaga na fase seguinte.

Uma vez determinado este formato e concluído o sorteio, lá estavam as equipes prontas para adentrarem neste novo formato elaborado, diante do baixo número de aderentes à competição. Vamos aos detalhes da grande emocionante competição que se seguiu.

A DIVISÃO DOS GRUPOS

O Grupo 1, no formato de TRIANGULAR, ficou formado por ÍBIS, de Daniel “Piru”, AJAX FOGO, de Dinoraldo e CHELSEA, deste escritor. Todos se enfrentariam, pré determinadamente também sob sorteio, na Arena 4 da Sala Brasília.

O Grupo 2, também no formato TRIANGULAR, teve listado o MÍLAN, de Diogo Ayala, SÃO PAULO, do avô do Mila, Max Monteiro e o CORÍNTHIANS, de Adriano Barras

Por fim, o GRUPO 3, em formato quadrangular, recebendo aquele título à qual ninguém deseja para si, que é pertencer ao GRUPO DA MORTE: BOTAFOGO, de Marcos Silva, SAN LORENZO, de Hélvio Ney, VILA BELMIRO, de Albertinho e FLAMENGO, de Fernando Enéas. Leu bem a relação do grupo 4? Sentiu a dificuldade desses confrontos?

E por falar neles, vamos aos detalhes de cada grupo, nessa primeira fase:

Grupo 1 - Triangular

ÍBIS e CHELSEA abriram oficialmente as competições deste sábado

O primeiro duelo deste grupo, que também abriu oficialmente a COPA CAXINGUELÊ, foi entre ÍBIS x CHELSEA. Os blues iniciaram com pé direito, logo no início de jogo, fazendo 1x0, mas, não contava com as artimanhas do pássaro negro, que chegou ao empate no finalzinho do 1º tempo. Sem alterações depois disso, 1x1 ficou de ótimo tamanho para ambos.

ÍBIS bem que tentou, mas quem triunfou foi o AJAX FOGO

Em seguida, AJAX FOGO, de Dinoraldo, estreou contra o ÍBIS, de Daniel, numa peleja facilmente vencida pelo time de Maranguape. Com 2x0 para o Ajax, sem dar chance para qualquer investida perigosa do Íbis, a vitória alcançada pelo time holandês lhe dava a vantagem de um empate contra os Blues, no último jogo dessa grupo.

Partindo então para o desfecho deste triangular, ao CHELSEA restava apenas a vitória, pois assim, somaria mais pontos do que o próprio AJAX FOGO, uma vez que já possuía 1,1 ponto do empate frente o Íbis. Com a bola rolando, o 1º tempo fechou empatado em 1x1, demonstrando o equilíbrio em campo. Porém, na etapa complementar, os ingleses souberam abrir breja na defesa holandesa, suficiente para fechar o marcador em 2x1; CHELSEA classificado para as semifinais. 

Grupo 2 - Triangular

Ninguém venceu no duelo entre avô e neto no Grupo 2

Pelo triangular do Grupo 2, os primeiros times a se enfrentarem foram MILAN x SÃO PAULO, num duelo entre avô e Neto. “Carranquinha”, como é chamado o caçula da APFM, disparou um golaço ainda no início de jogo, mas a experiência do vovô não deixou barato, e na segunda etapa, buscou o empate no jogo familiar. Final 1x1, dando 1,1 ponto para cada um na classificação.

Sem dificuldades, o CORÍNTHIANS venceu fácil os milaneses

Terminado o jogo, o MILAN permaneceu em campo, dessa vez para receber o CORÍNTHIANS, cheio de moral, pelo título do Chifronésio. E de fato, essa moral lhe condicionou para se impor em campo e abrir facilmente 3 tentos a 0 diante do Apavorado Milan. Os italianos, apesar do esforço em fazer o gol de honra, nada mais alcançou no placar, dando adeus às pretensões de avançar para as semifinais. Final 3x1 – Corínthians.

Astuto, SÃO PAULO despacha Timão e se classifica para as semifinais

Restava apenas o clássico paulista, entre CORINTHIANS x SÃO PAULO. Ao Timão, bastava um empate para garantir a vaga na fase final. Já ao tricolor, apenas a vitória interessava. Com bola rolando, a gana tricolor premiou o time de Max Monteiro logo no início de jogo, abrindo o marcador diante do Mosqueteiro. Este, agora, precisava igualar o placar para trazer de volta a vantagem, mas... de nada adiantou os ataques afobados que criou. Sem a eficiência Corínthiana, o São Paulo garantiu seu primeiro sucesso dentro da Temporada 2022, vencendo sua primeira partida: 1x0 pra ambulância do SAMU.

 

Grupo 3 – Quadrangular

BOTAFOGO assiste, sem reação, a vitória do SAN LORENZO

Aqui, haja coração, minha gente! Logo de cara, abrindo os 6 jogos do grupo, BOTAFOGO, de Marcos Silva e SAN LORENZO, de Hélvio Ney, inauguraram os embates na Arena 2 com uma alternância alucinante de ataques e chances perdidas. Mas, em pouco tempo, o San Lorenzo assumiu o domínio das ações ao abrir o placar. Sentindo o golpe, a estrela solitária cedeu espaço em campo, muito bem aproveitado pelos argentinos, que facilmente chegaram a 3x0 frente o Fogão!

De muletas, HÉRCULES apenas assistiu a realização da Copa Caxinguelê
(Vila e Flamengo se digladiando na estreia)

VILA BELMIRO, de Albertinho, iniciou sua jornada diante do bi campeão do ano, o FLAMENGO, de Fernando Enéas. Apesar da excelente performance do Urubu no Chifronésio, que lhe deu o título daquele torneio, aqui, faltou inspiração nas jogadas e foi facilmente envolvido pela Baleia Azul. Placar mínimo de 1x0, mas muito bem aproveitado pelo Vila.

Precisando vencer, BOTAFOGO busca desde o início, as jogadas de ataque contra o VILA BELMIRO

Este mesmo Vila Belmiro, permanecendo em campo, recebeu o BOTAFOGO, de Marcos Silva, para seu segundo jogo no quadrangular. E que jogo, minha gente! Com precisão na pontaria, O Vila Belmiro despachou o Fogão com 4 tentos anotados na meta alvinegra. Pelo lado botafoguense, houve um desconto com 2 gols marcados, mas não suficientes para aplacar o ímpeto do Vila Belmiro. Com os 4x2, o Vila já garantia a sua vaga nas semifinais.

SAN LORENZO feliz da vida, pega o FLAMENGO, desesperado

Enquanto isso, FLAMENGO e SAN LORENZO mediam forças na Arena 2 da APFM. O Urubu da rua do Hospício tentava agora, uma reabilitação depois da derrota na abertura, mas encontrara uma eficiente defesa argentina, atenta à tudo. Mengão abriu o placar, mas o San Lorenzo foi buscar o empate, que deu números finais à disputa: 1x1, deixando o Flamengo em péssimos lençóis

BOTAFOGO vira uma pedra na chuteira do FLAMENGO, empatando o jogo

Agora, o FLAMENGO precisava vencer seu último duelo do quadrangular, e era contra o já eliminado BOTAFOGO, de Marcos Silva. A ele, apenas a vitória interessava. Mas, mesmo eliminado, o Botafogo cresceu no clássico carioca, encurralou o Mengão, e disparou um belíssimo gol contra as redes rubro-negras. Tentando reabilitar-se, o Mengão ainda conseguiu empatar o jogo, mas não houve tempo para uma virada de placar e, com mais um empate em 1x1, o Flamengo dava adeus á competição.

Já classificados, eis uma amistoso de luxo entre VILA BELMIRO e SAN LORENZO

Restava ainda o jogo entre VILA BELMIRO e SAN LORENZO, que acontecia quase paralelamente ao jogo anterior. Com a conclusão do confronto entre BOTAFOGO e FLAMENGO num empate, ambos aqui já garantiam vaga nas semifinais, passando a ser um jogo de “comadres”, já que estavam assegurados. E se o placar pode dizer alguma coisa, saibam que VILA BELMIRO e SAN LORENZO ficaram no empate de 1x1, sem preocupação para qualquer lado.

SEMIFINAIS

De virada, SAN LORENZO destroça o SÃO PAULO e chega a FINAL do torneio

O jogo que abriu a fase final foi entre SAN LORENZO (segundo colocado do Quadrangular), enfrentando o SÃO PAULO, de Max Monteiro (vencedor do Grupo 2). Aqui, empate era sinônimo de penalidades máximas para definição de quem avançava. Então, o “Sumpaulo” tratou de abrir o marcador com uma aparente superioridade diante dos argentinos.... Mas, foi tudo uma falsa aparência. Demonstrando tranquilidade, o SANLORENZO achou 3 golaços lindos, fazendo merecer com todas as honras, a vaga na decisão. Jogo finalizado em 3x1, com o SAN LORENZO rindo à toa.

CHELSEA atacando no início de jogo, não contava com a artilharia pesada do VILA BELMIRO

No outro lado da SEMIFINAL, estava, frente à frente o CHELSEA, de Hugo Alexandre e VILA BELMIRO, de Albertinho, que fizera uma excepcional campanha no quadrangular. Os blues iniciaram o jogo com um domínio total da posse de bola, articulando 3 lances claros de gols, desperdiçados. Quando o Vila Belmiro conseguiu por a bola nos pés, a coisa virou. Amigos... foram 3 chutes consecutivos, com 3 golaços anotados pelo Vila Belmiro, tendo feito inclusive, um gol de bola esticada, que não é a praia da Baleia Azul.

Atordoado, os Blues perderam o pé nas jogadas de ataque, que redundou em outros 2 chutes certeiros do Vila Belmiro, que de forma Irretocável, aplicou 5x0 no Chelsea, sem direito a gol de honra. Os blues, que acertaram o travessão umas trocentas vezes, restou amargamente, a disputa de 3º lugar do torneio, diante do São Paulo

Disputa de 3º Lugar

Blues, iniciando a jogada que abriu vitória contra o SÃO PAULO, pelo 3º lugar

Arrasado pela goleada sofrida, ao Chelsea restava a consolação da medalha de 3º lugar e tinha pela frente, o ferido SÃO PAULO, que queria a todo custo, aparecer no pódio dos 3 melhores do dia. Mas coube aos Blues a abertura do placar, logo no início de jogo. Sem ter o que perder, o tricolor, por outro lado, não se intimidou pelo gol sofrido, e passou a atacar igualmente os ingleses, quando estava de posse da bola. Isso lhe rendeu o empate, no finalzinho da etapa inicial. Veio a segunda fase do jogo, e aqui, começou a faltar gás no tricolor do SAMU. O Chelsea, percebendo a situação, tratou de reassumir as rédeas do jogo, abrindo caminho para o segundo gol, que lhe assegurou, de forma consoladora, a medalha de 3º lugar da competição

GRANDE FINAL

Em novo encontro de VILA e SAN LORENZO, dessa vez era para decidir título

Os mesmos VILA BELMIRO e SAN LORENZO, que já haviam se enfrentado na fase quadrangular, estavam novamente frente à frente, dessa vez, para decidir quem iria erguer a taça de campeão. Pelo lado da Baleia Azul, a experiência e a excelente performance lhe dava tranquilidade para encarar o ainda novato, San Lorenzo. Este, agora, já demonstrava o mesmo nervosismo que lhe aflorara na pele, quando jogou com o Corinthians, na decisão do Chifronésio. Era a ansiedade marcando ponto e atrapalhando o San Lorenzo, visivelmente, antes mesmo da bola rolar.

E o que se viu, diante desse quadro pintado antes do jogo? Foi exatamente o domínio pleno do Vila Belmiro em campo, sem dar grandes chances de gol aos argentinos. Com uma finalização precisa, assim como demostrara frente aos Chelsea, lá estava o time de Albertinho abrindo 3x0 diante do rubro azulino da argentina, que sem norte em campo, entregava o título da COPA CAXINGUELÊ ao senhor do dia, o VILA BELMIRO.


Lutando contra o VILA e os próprios nervos, SAN LORENZO sucumbe na final

Final de competição: Com 3x0 no placar e uma campanha irretocável, Albertinho e seu VILA BELMIRO conquistou o Bi campeonato na temporada 2022, igualando os mesmos 2 títulos do Flamengo, porém, com uma pontuação melhor aproveitada no Ranking de Entrada 2022.

Minha gente, que torneio! Apesar do baixo número de competidores, o ponto positivo de todo espetáculo da COPA CAXINGUELÊ foi a alteração do formato da competição, saindo de um mata-mata para uma disputa de grupos, dando possibilidade de reabilitação para aqueles que obtiveram insucesso no primeiro jogo disputado. Cada um jogou, pelo menos, 2 vezes, o que deu ânimo à todos, visivelmente.

A formação do pódio da COPA CAXINGUELÊ

Para os próximos torneios, será adotada a mesma formulação, isto quando tivermos um baixo número de competidores. Caso o número de times inscritos chegue aos 16, por exemplo, teremos mesmo que seguir no mata-mata, uma vez que faltará campo para atender a uma demanda de grupos.

Da forma como a COPA CAXINGUELÊ se deu, todos aprovaram unanimemente, sem discórdias.

E para finalizar a resenha da COPA disputada neste sábado, fica os parabéns à excelente performance do Vila Belmiro, que sacramentou o título de forma contundente, sem chance alguma para os que se opuseram à sua jornada rumo ao título.

Parabéns à todos, de um modo geral, que fizeram o espetáculo da Regra Pernambucana acontecer. Que siga brilhando como sempre brilhou, a Regra da bola de borracha, a Rainha das Regras

Viva o Botão!

GALERIA DE FOTOS DA PREMIAÇÃO

"Carranquinha" entrega troféu ao Campeão VILA BELMIRO

Agora, é a vez do SAN LORENZO ser condecorado na Copa Caxinguelê


Prêmio de consolação ao CHELSEA, depois da amarga goleada sofrida para o campeão



PARTICIPANTES E EXPECTADORES DA COPA CAXINGUELÊ