Minha lista de blogs

domingo, março 26, 2017

BALEIA AZUL ARREBENTA NO NOVA VIDA

VILA BELMIRO (Albertinho) em mais uma grande conquista
Minha gente, esse sábado, dia 25 de março, aqui na Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, foi deveras sensacional, primeiramente com a equipe da Folha de Pernambuco que fez um ensaio para a matéria a ser publicada em futuro próximo a respeito de botões confeccionados com chifres de boi.
Repórter Mário Fontes em ação na tomada de cena 
Estiveram aqui o jornalista Mário Fontes, acompanhado do cinegrafista Arthur,  que fizeram um apanhado geral de tudo que se relaciona com o botãobol (futebol de botão na regra pernambucana, a rainha das regras), onde os times de botões com esses tipos de botão ainda  proliferam.
Cinegrafista Arthur colhendo os melhores flagrantes
Pelas tomadas de cena e pelo que foi relatado, a matéria deve ser bem interessante a todos que vivem do futebol de botões. Vamos aguardar.
Depois, seguindo o calendário da APFM, teve início o Torneio Nova Vida, patrocinado por este blogueiro, pelo sucesso da cirurgia cardíaca que realizou em 2012, com a implantação de 3 pontes, que vem permitindo dar continuidade a essa vida maravilhosa em torno do botãobol.
Com a inscrição de doze equipes, a competição no sistema mata-mata, apresentou os seguintes resultados:
VASCO DA GAMA (Ricardo) desbanca o TIMBU nos pênaltis
Abrindo o torneio, o NÁUTICO, de Abiud Gomes, na Arena 6, se confrontou com o VASCO DA GAMA, de Ricardo dos Anjos e, após sair em desvantagem, chegou ao empate no último lance da partida, levando a decisão para as penalidades máximas, porém, os vascaínos foram mais felizes e se classificaram ao converter três pênaltis, contra apenas dois do TIMBU.
TRINCA FERRO perde nos pênaltis para o TRICOLOR DO SAMU
Já na Arena 2, o SÃO PAULO, de Max Monteiro, enfrentava o ITACURUBA, de Alexandre de Freitas, em outra partida que terminou empatada. 0x0 foi o placar, consequentemente levando a decisão para os pênaltis e o TRICOLOR conseguiu a muito custo converter uma única penalidade e assim eliminou o TRINCA FERRO DOS AFOGADOS, que fora infeliz em todas as cobranças.
BARCEFOGO queima URUBU e segue em frente no Nova Vida
Por sua vez, na Arena 4, o BOTAFOGO, de Marcos Silva, com seu famoso BARCEFOGO, eliminava o FLAMENGO, de Fernando Brito, sapecando-lhe um 2x0, com dois golaços de Messi.
O MENGÃO não disse para que veio a campo e chiou uma barbaridade com a bola miolo de pão.
Após empate BALEIA AZUL detona o PEIXE nas penalidades
Enquanto isso, na Arena 5, mais um jogo foi decidido nos pênaltis, quando o SANTOS, de Adilson Ribeiro, enfrentou o VILA BELMIRO, de Albertinho, em partida que terminou empatada em 1x1.
Mostrando muita competência na cobrança das penalidades a BALEIA AZUL não perdoou e despachou o PEIXE ao converter três pênaltis contra apenas um do oponente. Estava aberto o caminho para o sucesso.
GAVIÃO bicou forte e VOVÔ COXA se mandou do torneio
No quinto jogo do torneio, o CORITIBA, de Cláudio Sandes, entrando em campo com seus craques do ABC, foi sobrepujado pelo PORTO, de Dinoraldo Gonçalves, na Arena 1, pelo placar de 2x0, com os gols do GAVIÃO DE MARANGUAPE marcados por Janduí. Com essa derrota, o VOVÔ COXA foi se juntar ao URUBU e os dois ficaram jogando entre si até o fechamento da sala de jogos.
HÉRCULES (de branco) cai diante do COLORADO de Zé do Caixão 
Fechando a primeira fase da competição, o INTERNACIONAL, de Clóvis Sandes, o famoso Zé do Caixão, empatou em 1x1 com o HÉRCULES, de José Hércules, na Arena 4, mas classificou-se nos pênaltis ao marcar 2x1. O COLORADO GENÉRICO avançava para a segunda etapa do Torneio Nova Vida com todos os méritos.
TRICOLOR DO SAMU tira o VASCÃO do Nova Vida
Abrindo a sequência de jogos da segunda fase, o SÃO PAULO, de Max Monteiro, venceu o VASCO DA GAMA, de Ricardo dos Anjos, na Arena 4, por 1x0 e agora iria esperar o resultado do confronto entre VILA BELMIRO e BOTAFOGO.
BALEIA AZUL atropela BARCEFOGO e continua na guerra
Foi logo na sequência, na Arena 1, com a BALEIA AZUL triunfando por 2x1, numa partida bem disputada. Miltão fez os dois gols do VILA, enquanto Neymar marcava o gol do FOGÃO mas não evitou sua eliminação no torneio. No clássico entre os líderes do ranking geral da APFM, a BALEIA AZUL mostrou que é o mais forte.
ZUMBI COLORADO não foi páreo para o GAVIÃO e escafedeu-se
No outro jogo dessa fase, o PORTO, de Dinoraldo Gonçalves, apesar do escore de 1x0, praticamente não teve dificuldades para se classificar e assim se garantir na final do Torneio Nova Vida, pois seu adversário, o INTERNACIONAL, de Zé do Caixão, não ameaçou em momento algum a meta do GAVIÃO DE MARANGUAPE. Um simples golzinho de Malhado foi suficiente para acabar com as pretensões do COLORADO GENÉRICO.
TRICOLOR cai de quatro e é engolido pela BALEIA AZUL
Veio então a semifinal e o que se viu foi um passeio do VILA BELMIRO, de Albertinho, que goleou o irreconhecível SÃO PAULO, de Max Monteiro, por 4x0, com vaga para mais, tal a fragilidade do sistema defensivo do TRICOLOR DO SAMU. A BALEIA AZUL dominou de cabo a rabo e esse belo resultado deu a confiança necessária para ir para a decisão da competição com ares de favorito.
A Arena 2 foi o palco da grande final do Torneio Nova Vida, com arbitragem de Adilson Ribeiro, tido como o melhor juiz da APFM.
GAVIÃO, em tarde inspirada de Remo, adia a festa do VILA
De um lado a toda poderosa BALEIA AZUL, o famoso VILA BELMIRO, de Albertinho e do outro o GAVIÃO DE MARANGUAPE, o imprevisível PORTO, de Dinoraldo Gonçalves. A partida foi realmente digna de uma final, com as duas equipes partindo para a ofensiva. O VILA abre o placar, mas leva a virada, porém, não esmorece e torna a ficar em vantagem, após dois golaços. Com 3x2 no placar a seu favor e o tempo se esgotando, a BALEIA AZUL já parecia ensaiar o grito de é campeão, mas em cima da hora o GAVIÃO DE MARANGUAPE achou seu grande artilheiro Remo, que havia marcado os dois gols da partida, dentro da área adversária e armou o chute. O cronômetro soou, porém, o PORTO teve direito ao arremate. Não deu outra, com a bola morrendo no gol da BALEIA AZUL. Estava encerrada a partida, empatada em 3x3. Acabava o show do grande artilheiro do PORTO.
BALEIA AZUL sobra nos pênaltis e leva o TORNEIO NOVA VIDA 
A decisão iria para as cobranças de pênaltis e aí a BALEIA AZUL arrebentou, vencendo por 3x1, sagrando-se  campeã do Torneio Nova Vida. com todas as honras. Parabéns, VILA BELMIRO! Parabéns, Albertinho! Obrigado a todos que participaram do evento. Em 2018 tem mais.
video
Pênalti que deu o título ao VILA BELMIRO
CHIFRONÉSIO COMEÇA EM 8 DE ABRIL
A ordem agora é se preparar para o VIII TORNEIO CHIFRONÉSIO DO RECIFE, com início previsto para o sábado, dia 8 de Abril.
FESTA DE PREMIAÇÃO
Antes no próximo sábado, dia 1 de abril, a APFM realizará a festa de premiação do Campeonato Oficial de 2016, de Botãobol, com a entrega de Troféus e Medalhas. 
Além dos comes e bebes, as equipes irão também aproveitar a data para o apronto final com vistas para o dia 8 de abril. O CHIFRONÉSIO esse ano não vai ser moleza! Viva o botão! 

domingo, março 19, 2017

UM COXA BRANCA NO BOTÃOBOL

Cláudio, o pernambucano Coxa Branca
Minha gente, hoje, sábado, dia 18 de março de 2017, fujo um pouco da rotina e entro para contar um fato curioso nesse mundo mágico do botãobol (futebol de botão na regra pernambucana,a rainha das regras.
Tudo começou nos meados dos anos 60 quando o botonista Cláudio Alves Sandes, o famoso Gordo, essa figuraça hilária, dava suas primeiras palhetadas nesse esporte maravilhoso que é teimado em ser visto como brincadeira de criança por muitos incautos, que não sabem da realidade do atual estágio do futebol de mesa.
Ainda menino, Cláudio se entusiasmava com as jogadas de seu pai, mestre da palheta, Mário Sandes, um tremendo botonista que infelizmente partiu muito cedo, deixando uma lacuna, nunca preenchida nas mesas de Pernambuco.
Em confronto de botãobol contra seu irmão Clóvis Sandes
Era comum a presença de botonistas no terraço de sua casa,  na Rua Moraes e Silva, no bairro da Estância, aqui no Recife e os jogos deslumbravam o menino Cláudio, muito pirralho e que limitava-se apenas a assistir as partidas do pai e do irmão mais velho.
Esse entusiasmo, levou-o a adquirir seu primeiro time de botão e a partir de então tem início sua vivência nesse mundo mágico. Era o sonho de menino, transformando-se em realidade.
A cobra coral deu lugar ao Vovô Coxa
Na verdade, o Gordo nasceu tricolor, pois no futebol de Pernambuco, o Santa Cruz Futebol Clube era o time de maior destaque na época, já que se tornara campeão por cinco anos consecutivos. Era a fase de ouro do Tricolor do Arruda e serviu para aumentar consideravelmente o número de torcedores.
Porém,. no mundo do botão, cada botonista era obrigado a declarar um time para que pudesse participar das competições e era vedado haver times em duplicata, portanto, não poderia haver dois Santa Cruz numa mesma competição. Por ser novato, Cláudio teve que fazer opção por outro clube e ele ficou sem a mínima ideia de qual seria esse clube.
Junto do blogueiro Timbu que o fez virar Coxa Branca 
Então, ouviu, desse blogueiro, que jogava com o time do Náutico, o que faz até hoje, a sugestão para que colocasse o nome do Coritiba, o famoso Coxa Branca do Paraná.
Com alguma relutância, devido às cores alviverdes,  acabou aceitando e a partir de então tomou gosto e foi crescendo no mundo do botãobol. Com o sucesso, a outrora paixão pelo Santa Cruz Futebol Clube foi ficando para trás e o Coritiba passou a ser o time de coração. Flâmulas, camisas, escudos, tudo que se referisse ao Coxa era recebido e guardado com muito carinho.
Esse timaço é bem representado nas mesas de botãobol
O tempo foi passando e o Coritiba entrou de vez na sua vida, deixando as mesas do botão e migrando para os campos de futebol. Tornou-se ferrenho torcedor Coxa Branca, comparecendo aos jogos todas as vezes que o Coritiba aqui se apresentava.
Betinho, Fernando Santana, Luciano Veloso, Givanildo, seus antigos ídolos, deram lugar a Tião Abatiá, Paquito, Rafael, Lela, Gomes, Heraldo, Vavá, Edson, Dida e tantos outros craques coxas.
Cláudio e seus anfitriões na capital paranaense
E o tempo passou e hoje, Cláudio Alves Sandes, o Gordo, convidado para ir à Curitiba, pelo Grupo Unidos pela Vida, para dissertar sobre sua experiência à frente da Associação dos Portadores de Fibrose Cística, aproveitou os poucos momentos de folga na capital curitibana para enfim poder conhecer a fundo o seu clube de coração. Foi deveras sensacional!
Muito antes dessa grande data, o Gordo já se correspondia com a fervorosa torcedora coxa, Rosi Dalla Stella,  mas só agora pode sentir o quanto ela é importante na vida do Clube. Sua residência é uma extensão da sede do Coritiba, toda ornamentada. Em todos os cômodos da casa a presença coxa é marcante. 
Isso facilitou sobremaneira sua convivência e todas as portas alviverdes lhes foram abertas e assim ele adentrou ao majestoso Estádio Couto Pereira, à sede social, à loja de conveniências e o principal de tudo, recebeu o honroso convite para assistir ao jogo CORITIBA X J.MALUCELLI, máxima emoção, mesmo com a partida terminando empatada em 0x0. Não pode vibrar com os gols, mas o coração manteve-se acelerado até o fim do jogo.
Cláudio e os símbolos sagrados do Coxa Branca
De volta ao Recife, eis o Gordo Cláudio mostrando a bandeira e a camisa Coxa Branca que recebeu de presente dos amigos curitibanos, agora irmãos coxas brancas. Valeu! Para jamais esquecer. Viva o Coritiba! Viva o botão!

domingo, março 12, 2017

FOGÃO CAMPEÃO OFICIAL DE BOTÃOBOL

FOGÃO o grande campeão de Botãobol da APFM
Minha gente, nesse sábado, dia 11 de março, até que enfim se sabe quem é o campeão oficial de botãobol (futebol de botão arte na antiga regra pernambucana, a rainha das regras), de 2016, da Associação Pernambucana de Futebol de Mesa e a primazia coube ao BOTAFOGO, de Marcos Silva, que na partida decisiva derrotou o SANTOS, de Adilson Ribeiro, por 1x0, gol do artilheiro do campeonato, DEL PIERO.
CORINGÃO serviu de fiel da balança para a decisão da Série Ouro
Para chegar ao título, o FOGÃO , que era o campeão do 1º Turno da competição, teve que aguardar o desfecho do 2º turno/Série Ouro, que deveria constar de dois jogos, para saber quem seria seu adversário na grande final.
SANTOS, de Adilson Ribeiro e PORTO, de Dinoraldo Gonçalves, eram os candidatos à conquista do 2º turno/Série Ouro e ambos enfrentariam o CORINTHIANS, de Adriano Oliveira, com o PEIXE levando todas as vantagens, pois jogaria após o CORINGÃO enfrentar o GAVIÃO DE MARANGUAPE e em caso de vitória ou empate mosqueteira, já era mais do que suficiente para que o alvinegro praiano bradasse o "É Campeão!.
Uma atuação nervosa causou prejuízo ao PORTO
Iniciado o confronto PORTO X CORINTHIANS, na Arena 1, via-se claramente o tremendo nervosismo do GAVIÃO DE MARANGUAPE e disso se aproveitou o CORINGÃO para abrir o placar. 
Enquanto longe dali, o PEIXE vibrava com o gol corinthiano e mais aumentava a tremedeira do TRICOLOR MARANGUAPEANO.
GAVIÃO DE MARANGUAPE quebrou o bico diante do CORINGÃO
Mesmo assim, conseguiu chegar ao empate e pôs pilha na partida, porém, na segunda etapa, o time mosqueteiro chegou ao segundo gol. E quando o árbitro José Ribamar deu o jogo por encerrado, de pronto só se ouvia no interior da APFM a algazarra do PEIXE, aos gritos de "É CAMPEÃO, É CAMPEÃO!".
Mala oferecida pelo PEIXE ao CORINGÃO pela vitória
E o SANTOS, de imediato, apresentou a mala preta que havia trazido para ser entregue ao CORINGÃO, no caso de vitória ou empate mosqueteiro, indo  mais longe ainda, não entrando em campo para sua contenda contra os CORINTHIANOS, poupando-se assim para a decisão do campeonato, quando enfrentaria o BOTAFOGO, de Marcos Silva. Esse PEIXE estava vivo demais!
Árbitro Albertinho entre os contendores PEIXE x FOGÃO
A temida Arena 4 serviu de palco para o grande desfecho do Campeonato, com o PEIXE jogando pelo empate por ter amealhado mais pontos em toda a competição.
Mal começa a partida e o SANTOS fica com a posse de bola por longos doze minutos, não dando margem a que o FOGÃO, nas poucas vezes que fora acionado, pudesse fazer qualquer ameaça à meta santista. O PEIXE quando sentia que ia perder a posse de bola, usava e abusava da "Zona da Galinha" e assim se recuperava e dominava a partida. Chances de gol o SANTOS teve inúmeras, porém, todas desperdiçadas.
Exato momento que DEL PIERO arremata para o gol do título
Faltando 3 minutos para o término do primeiro tempo, o PEIXE cometeu seu único erro na partida, jogando a bola para a linha de fundo, num lance totalmente despretensioso. O FOGÃO cobra o tiro de meta, vai para o ataque e a bola sobra na intermediária inimiga para o artilheiro DEL PIERO, o iluminado e pimba na gorduchinha! Gol do FOGÃO!
FOGÃO foi se apagando e o PEIXE não aproveitou
Veio o segundo tempo e todos ficaram pasmos com o comportamento do BOTAFOGO que parecia não querer mais nada com a partida, errando seguidamente as jogadas, permitindo com isso que o SANTOS ficasse na ofensiva até o apito derradeiro do árbitro. Se havia alguma coisa combinada, não se sabe, mas que foi estranha a maneira como o FOGÃO se ateve na segunda etapa, não há a menor dúvida. Foi sinistro, muito sinistro!
Uma das tantas chances desperdiçadas pelo PEIXE
Com todas essas mumunhas, o PEIXE não conseguiu, por mais que tentasse, chegar ao gol que lhe daria o título inédito de Campeão Oficial de Botãobol da APFM. Ainda não seria dessa vez.
Fim de jogo e sem muita vibração o FOGÃO conquista pela quarta vez em sua história o Campeonato Oficial de Botãobol da APFM (2000 - 2008 - 2012 - 2016). Parabéns, Marcos!
O SANTOS, de Adilson Ribeiro, ficou com o vice-campeonato geral, o VILA BELMIRO, de Albertinho, no 3º lugar e o NÁUTICO, de Abiud Gomes, na quarta colocação.
Seguem-se, pela ordem, o CORINTHIANS, de Adriano Oliveira, o PORTO, de Dinoraldo Gonçalves e FLAMENGO, de Fernando Brito. E acabou-se o que era doce!
RACING FAZ 2X0 E CONQUISTA A SÉRIE PRATA
RACING, de Ricardo e a conquista do Troféu Cabeça de Lagartixa
Também nesse sábado, a APFM conheceu o campeão do 2º Turno/Série Prata, cabendo ao RACING, de Ricardo dos Anjos, ao vencer o HÉRCULES, de José Hércules, por 2x0, na Arena 2, a conquista do ambicionado TROFÉU CABEÇA DE LAGARTIXA. Os HERMANOS foram superiores durante toda a partida e mereceram o título.  Arbitragem tranquila de Marcos Silva.
 CHIFRONÉSIO VEM AÍ 
Com o término do campeonato,  as atenções se voltam para o VIII TORNEIO CHIFRONÉSIO DO RECIFE, com início previsto para o sábado, dia 8 de abril, competição onde os botonistas desfilam com seus times de chifres de boi, uma raridade no mundo do futebol de botão.
Antes, no dia 25 de março, a APFM realiza mais uma edição do Torneio Nova Vida, patrocinado pelo blog A MARRETA, pelos cinco anos de sucesso na implantação das pontes que servem para o fortalecimento do coração deste blogueiro. Valeu! Viva o botão!



segunda-feira, março 06, 2017

UMA BALEIA AZUL IMPONENTE

VILA BELMIRO, a célebre BALEIA AZUL, fez a festa
Minha gente, esse sábado chuvoso,  dia 4 de março, aqui no Recife, com ruas alagadas, fez com que alguns botonistas não pudessem comparecer à sede da Associação Pernambucana de Futebol de Mesa, para participarem da festa do 15º Aniversário da entidade de botãobol (futebol de botão na antiga regra pernambucana, a rainha das regras), fundada precisamente em 22 de fevereiro de 2002.
MENGÃO esteve presente e acabou vice campeão
Em razão disso e talvez movidos pela ressaca do carnaval,  apenas oito equipes apareceram para disputarem a COPA BRASÍLIA, torneio no sistema mata-mata e lá estavam: FLAMENGO, de Fernando Brito; INTERNACIONAL, de Clóvis Sandes; NÁUTICO, de Abiud Gomes; SAN LORENZO, de Alexandre Freitas; SANTOS, de Adilson Ribeiro; VALÊNCIA, de Max Monteiro; VASCO DA GAMA, de Ricardo dos Anjos; VILA BELMIRO, de Albertinho,
Por sua vez, o GRÊMIO, de José Ribamar, que estava presente na hora da inscrição, consequentemente, no momento do sorteio dos jogos, resolveu não participar do evento, o que foi deveras lamentável.
Corinthiano Adriano Oliveira no clássico NÁUTICO X VILA BELMIRO
Por outro lado, o CORINTHIANS, de Adriano Oliveira, outro que se fez presente à APFM, porém, por ter chegado à sede da APFM quando os jogos já estavam em andamento, também ficou de fora, mas seu diretor técnico colaborou na arbitragem.
URUBU X PEIXE: pense num jogo parelho!
Sorteado os jogos, coube ao FLAMENGO, de Fernando Brito e ao SANTOS, de Adilson Ribeiro, realizarem a partida de abertura da COPA BRASÍLIA, na Arena 5, com arbitragem de Max Monteiro.
Partida equilibrada, com o MENGÃO saindo na frente do placar. Na segunda etapa veio a reação do PEIXE que chegou ao empate, resultado que permaneceu até o apito final do árbitro, consequentemente, levando a decisão para a disputa de penalidades máximas para se saber quem se classificaria para a 1ª semifinal.
Um dos pênaltis convertidos pelo MENGÃO 
O URUBU converteu dois pênaltis dos quatro que executou, enquanto que o PEIXE desperdiçou todas as suas cobranças e assim viu o MENGÃO vibrar com a classificação.
VASCÃO não deu chances ao SAN LORENZO
No 2º confronto, o VASCO DA GAMA, de Ricardo dos Anjos, na Arena 2, teve pela frente o SAN LORENZO, de Alexandre de Freitas, com o ALMIRANTE abrindo de cara o placar que lhe deu a tranquilidade necessária para se impor na partida, enquanto o time do Papa Francisco lutava incessantemente para chegar à igualdade, porém, sem nenhum sucesso. Foi o suficiente para que os vascaínos fizessem o segundo gol, dando cifras definitivas à partida e classificando-se para enfrentar o MENGÃO na primeira semifinal.
TIMBU espanta MORCEGO VALENCIANO e triunfa
Já na Arena 4, o NÁUTICO, de Abiud Gomes, entrava em campos com suas estrelas do COSMOS para enfrentar o VALÊNCIA, de Max Monteiro e via seu lateral direito Carlos Alberto, o Capita, ainda no primeiro tempo, marcar o gol que classificaria o TIMBU para a segunda semifinal. Foi uma bela vitória, sem nenhuma contestação, mesmo levando-se em consideração o "susto" provocado, sem nenhuma intenção, pela arbitragem, evitando com o gesto a possibilidade do NÁUTICO provocar uma falta que, se viesse a ocorrer poderia, quem sabe, mudar o desfecho da partida. Mas o fair-play falou mais alto e o jogo terminou num clima de tranquilidade.
BALEIA AZUL engole numa lapada o COLORADO GENÉRICO
Na outra disputa para ver quem iria para a 2ª semifinal, na Arena 5,  o VILA BELMIRO, de Albertinho,  pintou e bordou em cima do INTERNACIONAL, de Clóvis Sandes, goleando por 5x0. A BALEIA AZUL nadou tranquila e o COLORADO GENÉRICO tornou-se uma presa fácil. Zé do Caixão já morreu e não sabe! Arbitragem bastante tranquila de Adilson Ribeiro. Jogo de um time só!
MENGÃO, jogando pelas beiradas, abocanhou o VASCÃO 
Na 1ª Semifinal, o FLAMENGO, de Fernando Brito, também na Arena 5, no clássico carioca, venceu o VASCO DA GAMA, de Ricardo dos Anjos, por 1x0 e vibrou bastante com a classificação para a final da COPA BRASÍLIA. Agora iria ficar na espera do confronto NÁUTICO X VILA BELMIRO para saber quem seria seu adversário na grande final da competição.
TIMBU  quis surpreender entrando com o time da AABB
E lá estavam, frente a frente, na Arena 5, o TIMBU, de Abiud Gomes, dessa vez com os astros da AABB/CAXIAS DO SUL, capitaneada pelo xerifão SAMBAQUY e o VILA BELMIRO, a temida BALEIA AZUL, de Albertinho, para o sensacional confronto.
BALEIA AZUL numa tarde feliz chega ao triunfo
Um jogo parelho, do início ao fim, mas o VILA BELMIRO foi mais feliz, abrindo o escore ainda no primeiro tempo, enquanto que o TIMBU não levava sorte nos arremates que realizava. 
Na segunda etapa, o NÁUTICO partiu com tudo para o ataque e com um belo chute de Grazziotin, chegou ao empate. A partir de então o jogo foi ficando cada vez mais nervoso, com ligeira supremacia alvirrubra.
Uma das oportunidades desperdiçadas pelo TIMBU
As chances de desempate apareceram mas a sorte mais uma vez foi madrasta e disso se aproveitou a BALEIA AZUL para quase no apagar das luzes chegar ao gol que daria a vitória ao VILA BELMIRO.  Por pouco a decisão não iria para a disputa das penalidades. Pura infelicidade TIMBU. Arbitragem segura de Adriano Oliveira.
Arremate do VILA BELMIRO era uma constante na partida
Assim, FLAMENGO, de Fernando Brito e VILA BELMIRO, de Albertinho, partiram para a grande decisão da COPA BRASÍLIA. Sorteado o campo, mais uma vez foi contemplada a Arena 5, cabendo a arbitragem  a Adilson Ribeiro.
BALEIA AZUL toda feliz com a conquista da COPA BRASÍLIA
A expectativa de um grande jogo era imensa, porém, mal a partida fora iniciada via-se claramente que o MENGÃO partia para a retranca dando todo o campo para o VILA BELMIRO. Aí o domínio da BALEIA AZUL foi total mas dessa vez a sorte parecia não estar ao seu lado. Porém, há um ditado popular que diz: "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura" e não deu deu outra: o URUBU bateu fofo e a BALEIA AZUL terminou achando o caminho do gol, tornando-se campeão da COPA BRASÍLIA, marcando seu nome mais uma vez no Quadro de Competições da APFM. Parabéns, VILA BELMIRO, parabéns, Albertinho, a BALEIA AZUL mostrou-se imponente e fez a festa.
DECISÃO DO CAMPEONATO OFICIAL DE 2016
Sábado próximo, dia 11 de março, se tudo correr nos conformes, a APFM apresentará o campeão oficial de 2016. BOTAFOGO, de Marcos Silva, SANTOS, de Adilson Ribeiro e PORTO, de Dinoraldo Gonçalves, todos na luta pelo título. Quem vencerá? Viva o botão!

domingo, fevereiro 19, 2017

E TUDO FICOU PARA DEPOIS DA FOLIA

A onda é cair no frevo e o botãobol fica para depois da folia
Minha gente, está definitivamente provado que o botãobol é mágico e maravilhoso, daí afirmar com plena convicção que o futebol de botão na antiga regra pernambucana, a rainha das regras, é a maior representação de uma partida de futebol, transportada para uma mesa, mas agora é pensar no carnaval e o botãobol vai ficar para depois da folia.
PEIXE  empata e deixa a decisão da Série Ouro em suspense
Neste sábado, dia 18 de fevereiro, a Associação Pernambucana de Futebol de Mesa deu sequência ao Campeonato Oficial de 2016, já em sua reta final, levando a certeza de que uma equipe sairia consagrada campeã do 2º Turno/Série Ouro e, assim, iria para a grande decisão da competição, duelando com o BOTAFOGO, de Marcos Silva, time campeão do 1º Turno.
A BALEIA AZUL e o TIMBU foram alijados da disputa
Fora dito na edição passada que as equipes do SANTOS, de Adilson Ribeiro, do NÁUTICO, de Abiud Gomes e do VILA BELMIRO, de Albertinho, nessa ordem, eram os três times que iriam lutar pelo título do 2º Turno, com o PEIXE levando toda a vantagem pois bastaria vencer um dos dois confrontos que teria que realizar. 
Por outro lado, o TIMBU e a BALEIA AZUL teriam que vencer seus compromissos e dar uma secada forte no time santista.
GAVIÃO surpreende e põe por terra todas as previsões
 Ao PORTO, de Dinoraldo Gonçalves, que realizara apenas uma única partida (empate em 0x0), de sã consciência, não se esperava muita coisa, tendo em vista a sofrível participação do GAVIÃO DO MARANGUAPE no 1º Turno e que a maratona que teria pela frente seria muito desgastante para o tricolor maranguapeano.
Ausência do CORINGÃO adiou a festa do 2º Turno/Série Ouro
E o botãobol, mostrando toda a sua pujança, trouxe agradáveis surpresas nessa jornada que infelizmente não contou com a presença do CORINTHIANS, de Adriano Oliveira, cuja falta aos jogos teve como consequência a não definição do 2º Turno/Série Ouro.
PEIXE esbarra no GAVIÃO e vai ter que esperar o CORINGÃO
Iniciando a jornada, em jogo atrasado da 1ª rodada do 2º Turno, o SANTOS, de Adilson Ribeiro, perdeu a primeira grande chance de se sagrar campeão da Série Ouro, ao ceder o empate ao PORTO, de Dinoraldo Gonçalves, na Arena 4, em jogo bastante amarrado.
GAVIÃO recebe incentivo e entra com gosto de gás
O GAVIÃO DE MARANGUAPE entrou em campo incentivado, contando com a torcida dos times rivais do PEIXE e com a promessa de bicho gordo, através da famosa "mala preta" e foi logo abrindo o placar. O gol perturbou por demais o PEIXE que passou a cometer erros primários. Por sua vez, o GAVIÃO parecia não acreditar no resultado e se assemelhava a uma La Ursa, uma brincadeira de Carnaval, aqui do Recife, onde um grupo de meninos faz batucadas com latas, tal a tremedeira.  Só se ouvia o toc-toc-toc  quando a palheta batia no botão.
O equilíbrio foi a tônica da partida e o empate acabou justo
Nesse diapasão, a partida chegou ao fim da primeira etapa, na esperança de que no 2º tempo, o botãobol surgisse com as belas jogadas costumeiras. Nesse mister, o PEIXE foi mais feliz, conseguindo o empate, mas não passou disso. Os dois times se fecharam mais ainda e não tiveram quase nenhuma chance real de gol. Para o SANTOS, dos males o menor, enquanto que o GAVIÃO iria partir para os demais três jogos, sabendo que teria que fazer uma performance excelente se quisesse continuar respirando.
GAVIÃO bica forte e URUBU bate fofo
Veio então o confronto com o FLAMENGO, de Fernando Brito, na Arena 2, com o GAVIÃO agora com a torcida contra, pois o MENGÃO já não tinha mais nenhuma aspiração. Iria só cumprir tabela e esperar por uma possível mala preta, que parecia ter lhe sido prometida.
Mas o PORTO mostrou-se mais uma vez inspirado e conseguiu um triunfo por 1x0, aumentando as chances de ainda chegar ao título do 2º Turno.
Seriam mais duas pelejas e dessa vez contra adversários que lutavam também pelo título da 2ª Fase da competição e partiu para elas cheio de esperança. Duvidaram, agora teriam que engolir!
BALEIA AZUL não abate GAVIÃO e sai da briga pelo título
O VILA BELMIRO, de Albertinho, a famosa BALEIA AZUL, seria o próximo adversário, em jogo marcado para a Arena 5, com a arbitragem de Hércules Leita. O GAVIÃO DE MARANGUAPE foi logo voando alto e quando menos se esperava deu um rasante e se pôs em vantagem no placar. A BALEIA AZUL atordoou-se e levou algum tempo para se refazer do golpe. Só no finalzinho da partida, chegou ao empate, porém, sem mais tempo de virar o jogo. Como consequência, saiu da briga pelo título do 2º Turno/Série Ouro.
BALEIA AZUL se despede da Série Ouro matando URUBU
Antes de duelo NÁUTICO X PORTO, assistiu-se à partida entre  VILA BELMIRO X FLAMENGO, na Arena 4, onde a BALEIA AZUL pintou e bordou em cima do URUBU, que escancarou-se todinho, sem esquematização tática e mais perdido do que cego em tiroteio. O placar de 3x1 em favor do VILA BELMIRO não dá a dimensão exata do que foi a atuação pra lá de medíocre do MENGÃO.
Sabe-se perfeitamente que a BALEIA AZUL tem todas as condições para ganhar de qualquer adversário que tenha pela frente, mas a apresentação rubronegra foi bastante estranha. Coisa horrorosa!
TIMBU não contava com a força do GAVIÃO e dançou
Por fim, na Arena 1, NÁUTICO, de Abiud Gomes e PORTO, de Dinoraldo Gonçalves, entraram em campo para uma verdadeira batalha, pois, quem saísse vencedor ainda ficaria com reais chances de sonhar com o título do 2º Turno/Série Ouro e poderia assim brincar com alegria nos dias de folia, tendo mais duas semanas para se preparar para o grande desfecho do campeonato. Um empate daria o título de mão beijada ao PEIXE. Era tudo ou nada!
NÁUTICO se abala e tenta desesperado virar o jogo em vão
A saída coube ao TIMBU, mas notou-se um certo desequilíbrio emocional dos alvirrubros que nos primeiros minutos não acertavam uma jogada sequer. Disso se aproveitou o GAVIÃO DE MARANGUAPE para marcar seu gol, num chute de dentro da pequena área, onde as chances de sucesso são as mínimas possíveis, quase inexistentes, mas quase é apenas um detalhe...

Uma das muitas oportunidades desperdiçadas pelo TIMBU
A partir desse gol espírita, o TIMBU acordou e passou a pressionar o PORTO, mas era de uma infelicidade tremenda nos arremates a gol, todos direcionados para distante da baliza do GAVIÃO DE MARANGUAPE.
Velho TIMBU mais uma vez morre na praia para decepção geral
Veio a segunda etapa e via-se claramente que o TRICOLOR MARANGUAPEANO queria cozinhar a partida, abdicando do ataque e tentando segurar ao máximo a posse de bola, porém, quando o TIMBU recuperava, partia com velocidade para o ataque e as oportunidades foram aparecendo mas iam sendo desperdiçadas, uma após outra. A sorte foi madrasta para o NÁUTICO que assim viu não somente perder a partida, mas o resultado o alijou completamente da disputa do título e o coloca na 4ª ou 5ª colocação geral do campeonato, para decepção geral daqueles que apostaram suas fichas no TIMBU. A escrita mais uma vez se confirmou: o NÁUTICO nadou, nadou e morreu de novo na praia.
E a classificação ficou assim:

TORNEIO DE ANIVERSÁRIO DA APFM
15 ANOS DE BOTÃOBOL
Devido aos dias de folia que toma conta do Recife, a APFM somente abrirá suas portas no sábado, dia 4 de março, quando será realizado o torneio em comemoração ao 15º Aniversário da entidade.
A festa promete e todos os botonistas que fazem parte do quadro da associação poderão e deverão participar e terão toda a liberdade de convidar para o evento pessoas ligadas ao mundo do botãobol.
 DECISÃO DO CAMPEONATO DE 2016
Já o encerramento do 2º Turno/Série Ouro, bem como as decisões do 2º Turno/Série Prata e do Campeonato Oficial acontecerão no sábado, dia 11 de março, impreterivelmente, obedecendo-se à seguinte programação:
ASSOCIAÇÃO PERNAMBUCANA DE FUTEBOL DE MESA
BOTÃOBOL
CAMPEONATO OFICIAL DE 2016
PROGRAMAÇÃO DE JOGOS
(SÁBADO,11 DE MARÇO DE 2017)
1)           SÉRIE OURO
                 JOGOS ATRASADOS
Rodada
JOGOS
Campo
CORINTHIANS(*)

X

PORTO(*)

SANTOS(*)

X

CORINTHIANS(*)

2)       DECISÃO DO CAMPEONATO
Ordem
JOGO
Campo
Único
BOTAFOGO

X

CAMPEÃO DO 2º TURNO

3)        DECISÃO DA SÉRIE PRATA
Ordem
Jogo
Campo
Único
RACING

X

HÉRCULES

                     OBSERVAÇÕES
1)   Delegado da Rodada: Abiud Gomes e Fernando Brito;
2)    As partidas terão início às 10h30min, porém, podem ser antecipadas, desde que esteja presente um dos delegados da rodada.
3)   IMPORTANTE: Nenhum jogo poderá sofrer adiamento. Assim sendo, a equipe que faltar perderá por WxO, atribuindo-se o escore de 1x0 para a equipe adversário.
4) Para sagrar-se campeão do 2º Turno/Série Ouro, ao SANTOS basta o PORTO não triunfar  diante do CORINTHIANS.
5) Ao PORTO, para ser campeão, deverá triunfar sobre o CORINTHIANS, com dois gols de diferença e torcer por uma derrota santista ou um simples empate, pois levaria vantagem pelo saldo de gols.
                          
Agora, a ordem é se esbaldar no Carnaval, com muito frevo, muita cachaça e muita mulher, até chegar a quarta-feira de cinzas. Haja folia! Viva o botão!